Facebook Twitter Linkedin Instagram
Conteúdo 19 de janeiro de 2016

Mercado Logístico no Brasil: É preciso priorizar uma gestão logística eficiente

*Por Guilherme Reitz

Cada vez mais os processos relacionados à logística podem impactar substancialmente a gestão e estratégia das empresas. Sem uma logística que garanta a perfeita entrega de todos os pedidos, sua marca corre sério risco de fazer parte da lista dos principais sites de reclamações. Os motivos são diversos, mas os principais e que são de grande importância para os consumidores, ficam por conta do descumprimento do prazo de entrega, pela mercadoria avariada ou mal empacotada e principalmente pela não entrega do produto.

Porém, o cenário nacional nos mostra que a logística e sua gestão é pouco funcional e causa um alto nível de gastos, principalmente na questão do transporte das mercadorias para as empresas. Ao comparar o cenário atual que vivemos, com outros países e regiões que se assemelham a nossa, conseguimos perceber o quão deficitária e carente de investimentos é a nossa estrutura. Nos Estados Unidos, por exemplo, podemos perceber algumas divergências que acabam diferenciando muito o serviço nos dois países. Enquanto eles investem de forma mais uniforme entre os diversos modais logísticos, no Brasil o enfoque é apenas em um só modal.

Em termos de valores investidos e infraestrutura, de acordo com a ILOS, empresa de especialistas em logística e Supply Chain, o Brasil possui hoje 8,5 milhões km² em vias construídas para o transporte de mercadoria, sendo 210 mil km em rodovias pavimentadas, 29 mil km em ferrovias, 19 mil km em dutovias e 14 mil km em hidrovias. Já os Estados Unidos possuem 9,1 milhões km², sendo 4.375 milhões km em rodovias pavimentadas, 225 mil km em ferrovias, 2.225 milhões km em dutovias e 41 mil km em hidrovias.

O atual quadro da infraestrutura nacional de transportes é reflexo do baixo investimento realizado pelo governo que se sucederam no Brasil nos últimos 30 anos. O menor valor se deu no setor rodoviário pela facilidade de sua implementação, desconsiderando o alto custo para manutenção. Isso fez com que a logística nacional se tornasse dependente quase que em sua totalidade deste modal logístico. O segundo mais caro, perdendo apenas para o transporte aéreo.

Diferente nos EUA, os investimentos em áreas mais uniformes facilitam por completo a logística do país e garantem uma maior eficiência e uma redução de custo no serviço de frete de forma significante tanto para a empresa, quanto para os consumidores e o meio ambiente. Um exemplo de como a prática intermodal é vantajosa, pode ser notado no transporte rodo-ferroviário, onde o deslocamento ferroviário possui um custo consideravelmente menor que o rodoviário, mas ao mesmo tempo ele se limita às ferrovias, diferente do transporte rodoviário que é mais abrangente.

O que você precisa entender para melhorar a gestão logística da sua empresa é que a intermodalidade surgiu como uma oportunidade de inovação logística e modal rodoviário ainda predomina como principal meio de frete de cultura do país. Por isso, é preciso que as empresas invistam cada vez mais nesse setor e busquem oferecer um serviço diferenciado para se manterem competitivas no mercado, fidelizar cada vez mais seus clientes e manter a marca em evidência.

Atualmente, existem algumas prestadoras de serviços que oferecem soluções logísticas intermodais como oportunidade de inovação logística. Porém, são muito limitadas devido as questões infraestruturais e burocráticas do país, esse já é um assunto que não compete mais as empresas e sim ao governo, em parceria com iniciativa privada, que deve tomar algumas iniciativas a respeito da logística: Planejamento, Investimento e Burocracia.

Para ter uma ideia, a implementação dessas iniciativas estimula as empresas a expandirem suas soluções logísticas, gerando benefícios tanto para a prestadora de serviço quanto para seus clientes. Essa redução do custo reflete nos preços finais da compra, impulsiona a economia do país e estimula o consumo e a qualidade do serviço prestado. Porém, enquanto essas melhorias não se concretizam, cabe aos empresários buscarem uma forma de gestão logística mais eficiente –  e o mercado já oferece soluções para isso. Para minimizar as adversidades causadas pela nossa infraestrutura deficitária, a logística deve ser cuidadosamente planejada, buscando minimização dos custos e otimização de resultados, garantindo assim a competitividade da empresa no mercado.

*Guilherme Reitz é fundador do Axado, empresa de tecnologia com foco em logística de transportes que se consolidou como a primeira plataforma de gestão de fretes completa, de ponta a ponta, para indústrias e varejos, online e offline, do Brasil que tem atuação nacional desenvolvendo soluções de gestão de fretes, implementação de tabelas e calculo em fração de milissegundos, de forma precisa.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Maplink Toyota
LOGCP
Retrak
Paletrans
Alphaquip
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Top do Transporte