Facebook Twitter Linkedin Instagram
Navegação Interna 11 de julho de 2018

Bons ares para a cabotagem, mas ainda há muito potencial a explorar

O cenário atual de recuperação econômica começa a mostrar sinais positivos em diferentes setores, incluindo o portuário, no qual a movimentação de carga cresceu 8,3% em 2017, de acordo com os dados da Antaq – Agência Nacional de Transportes Aquaviários.
De fato, estamos vivendo um momento favorável para a cabotagem, segundo Ricardo Carui, diretor de Produto Marítimo da DHL Global Forwarding. “Este tipo de transporte gera redução de custos e ajuda a mitigar a falta de infraestrutura. É uma alternativa para suprir a dependência do rodoviário”, ressalta. Somente em 2017, o crescimento desse serviço na empresa foi de 18% em relação ao ano anterior em termos de volume transportado (TEUs).
Os resultados da Log-In também comprovam essa realidade. No primeiro trimestre de 2018, a companhia registrou um EBITDA de R$ 64,0 milhões e um EBITDA ajustado R$ 26,2 milhões, o maior valor alcançado para um primeiro trimestre em cinco anos. De acordo com o diretor comercial, Marcio Arany, os setores com maior participação nos resultados são os de alimentos, bebidas, higiene e limpeza, eletroeletrônicos e químicos e petroquímicos. “Os volumes na cabotagem têm estreita relação com a atividade econômica interna. Sendo assim, um cenário de produção industrial mais aquecida tende a aumentar a demanda para a cabotagem”, explica Arany.

Ampliando seu uso
Sobre quais fatores são primordiais e urgentes para aumentar o uso da cabotagem, Carui, da DHL Global Forwarding, diz que, do ponto de vista do cliente, são o planejamento e a coordenação dos embarques e sua logística. “Um dos grandes gargalos logísticos ainda a ser enfrentado com maior intensidade é a acessibilidade aos portos, tanto pelo modal ferroviário, quanto pelo rodoviário”, aponta.
Para Arany, da Log-In, o aumento do uso da cabotagem depende do maior conhecimento das empresas sobre os benefícios do modal. Ele explica que a cabotagem possibilita um melhor custo-benefício para distâncias acima de 1.000 km, ressaltando, ainda, que combinar diferentes modais pode contribuir ainda mais para a redução de despesas logísticas.
Além disso, a cabotagem oferece outras vantagens, como maior segurança contra roubo de cargas e baixo índice de avarias. “As empresas estão mais receptivas a fazer testes, pois o modal pode se tornar uma alternativa ao custo gerado com o uso do rodoviário”, considera.
Segundo Arany, é preciso um investimento maior na multimodalidade. “Embora o volume da cabotagem, por exemplo, venha crescendo, o modal ainda tem baixa representatividade na matriz de transporte brasileira, cerca de 9,6%, o que evidencia seu grande potencial. E se considerarmos que, para cada contêiner na cabotagem existe, hoje, cerca de 6,5 contêineres transportados pelo modal rodoviário com perfeita aderência à navegação, fica evidente a margem de crescimento.”
Outra questão relevante mencionada pelo diretor comercial da Log-In é a dificuldade de concorrência com o transporte rodoviário, que tem o diesel subsidiado, enquanto a cabotagem opera com bunker cotado em USD, cuja variação nos últimos 12 meses foi de 73% na moeda brasileira.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Brasil Log
Brasil Log
Brasil Log
BYD Business Park Tokio Marine Translifit Retrak w6connect