Facebook Twitter Linkedin Instagram
Conteúdo 26 de março de 2018

4 principais elementos da Supply Chain

Muitos amigos têm solicitado para elaborar um pouco sobre uma visão macro e holística dos elementos que compõem a Supply Chain. Aqui vai.
Os elementos essenciais e que são os pilares para o perfeito funcionamento da cadeia de abastecimento são planejamento, compras, fabricação e distribuição. E devem funcionar de maneira integrada e sincronizada para extrair os melhores resultados.

PLANEJAMENTO
As empresas precisam ter um processo de planejamento que possa cobrir toda a cadeia de abastecimento, avaliando perspectivas estratégicas de demanda e abastecimento. Essa visão determinará de que forma as decisões tomadas isoladamente podem afetar os diferentes processos ou seus componentes.
Com o objetivo de atingir a integração do planejamento, as empresas necessitam concentrar os seus esforços em algumas atividades que afetarão seu desempenho, tais como o desenvolvimento de canais; o planejamento de estoque, produção e distribuição, envolvendo transporte; a estimativa de vendas e o planejamento da demanda; o lançamento de produtos; e promoções.
Se cada elemento ou departamento da cadeia de abastecimento desenvolver o seu próprio plano sem considerar as características dos outros elementos, não haverá possibilidade de se integrar as duas pontas do processo, ou seja, a demanda e o abastecimento.
Essa visão de planejamento extrapola os limites da empresa, afetando fornecedores de materiais e compradores de bens ou serviços.
Em um momento em que falamos de inovações e transformações digitais ainda é bastante comum observar que as empresas trabalham em silos e sem integrar os seus planejamentos. A implantação de S&OP (Sales and Operations Planning) é essencial para integrar as partes da organização e tomar as decisões corretamente.

COMPRAS
Comprar é o conceito utilizado na indústria com a finalidade de obter materiais, componentes, acessórios ou serviços. É o processo de aquisição que também inclui a seleção dos fornecedores, os contratos de negociação e as decisões que envolvem compras locais ou centrais.
A aquisição compreende a elaboração e colocação de um pedido de compra com um fornecedor já selecionado e a monitoração contínua desse pedido a fim de evitar atrasos no processo. Contudo, a gestão de compras não se limita ao ato de comprar e monitorar. É um processo estratégico, que envolve custo, qualidade e velocidade de resposta. É uma tarefa crucial para a organização, seja ela de que tipo for: manufatura, distribuição, varejo ou atacado.
Os profissionais da área de compras devem ter um entendimento global de negócios e tecnologia. O comprador, hoje, em função da tecnologia, é muito mais analítico e negociador do que propriamente um operador de transações que faz pedidos e monitora-os.

PRODUÇÃO
Produzir refere-se ao elemento cujo processo fundamental é composto por operações que convertem um conjunto de matérias em um produto acabado ou semiacabado. A estratégia básica de produção e estoque adotada pela organização afeta significativamente o comportamento da cadeia de abastecimento. O processo de manufatura ou fabricação pode suportar as variações de sistemas descritas a seguir.
• Produção para atender níveis de estoque
• Produção para atender um pedido específico
• Montagem para atender pedidos
• Projetos sob medida
• Combinação de sistemas de produção
Os sistemas anteriores podem sofrer variações. As combinações são utilizadas principalmente nos sistemas de produção para estoque. A manutenção de estoque sugere um custo adicional, onerando a cadeia de abastecimento. Algumas organizações adotam certas estratégias híbridas em que alguns produtos são produzidos a partir do recebimento do pedido, mantendo em estoque aqueles itens ou materiais mais críticos de se obter.

DISTRIBUIÇÃO
A distribuição é um processo que está normalmente associado ao movimento de material de um ponto de produção ou armazenagem até o cliente e armazéns intermediários. As atividades abrangem as funções de gestão e controle de estoque, manuseio de materiais ou produtos acabados, transporte, armazenagem, administração de pedidos, análises de locais e redes de distribuição, entre outras. O retorno de produtos em bom ou mau estado também é parte desse processo, embora em alguns segmentos pouca atenção seja dada a essa função. A preocupação com o retorno de produto está começando a receber mais atenção, a partir do momento em que a consciência também se volta para o meio ambiente, sem mencionar os custos provocados na cadeia de abastecimento, sejam as devoluções totais e parciais de produtos em bom estado, sejam as devoluções de produtos vencidos ou obsoletos. É a logística reversa que nos dias atuais tem alcançado uma importância significativa.
O processo de distribuição tem sido foco permanente das organizações, uma vez que os custos nele existentes são elevados e as oportunidades são muitas. Modelos de distribuição são discutidos a fim de obter-se a vantagem competitiva e colocar os produtos, principalmente bens de consumo, ao alcance dos clientes e consumidores.
O Brasil tem evoluído no aspecto de distribuição com empresas extremamente profissionais, tanto na armazenagem como no transporte. No entanto, nossa infraestrutura para transporte e distribuição contínua ainda é extremamente centralizada nas rodovias, apresentando leitos bastante críticos, elevando os custos de transporte e demandando maior tempo para entrega.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
As organizações que querem obter sucesso no mercado competitivo dependem extremamente do relacionamento que mantêm com todos os elos para atender eficientemente à demanda requerida pelos clientes. O corpo gerencial dessas empresas precisa ter flexibilidade e agilidade para responder prontamente às mudanças. O entendimento da cadeia de abastecimento e de seus subprocessos é fundamental para se atingir os resultados esperados.
Nos vemos na próxima oportunidade e que a força esteja contigo!

Paulo Roberto Bertaglia Paulo Roberto Bertaglia
  • Fundador e Diretor Executivo da Berthas, atuou nas empresas: IBM, Unilever, Hewlett-Packard e Oracle. Ao longo da carreira tem se especializado nas áreas de Supply Chain Management, Gestão estratégica de Negócios, Liderança, Vendas e Terceirização de Serviços. Professor de pós-graduação em Logística, Gestão Estratégica de Negócios e Tecnologia da Informação.
  • Autor de vários livros entre eles Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento – Editora Saraiva, 3ª edição – 2016
  • Realiza palestras de temas estratégicos, cadeia de abastecimento e liderança empresarial para empresas e instituições educacionais
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Forexsa
Toyota
Profishop 2018
Retrak LOGCP
Paletrans
Alphaquip
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Revista Logweb