Facebook Twitter Linkedin Instagram
Conteúdo 13 de dezembro de 2018

A anedota da “Pizza do Google” e o futuro digital cada vez mais próximo!

Não existem muitos países que podem gabar-se de que seu prato nacional tenha se tornado um fenômeno mundial. A Itália tem dois pratos, massas e, claro, pizza. Ambos são famosos em todo o mundo, e fizeram a história da gastronomia italiana. A pizza que dizem significar “pão liso” ou “pão em placa”, embora como sempre há um grande debate sobre isso, tem uma longa história no Mediterrâneo. Várias culturas, incluindo os gregos e fenícios comeram um pão de trigo feito de farinha e água. A massa seria cozinhada colocando-a em uma pedra. Uma lenda sugere que ao retornarem para casa, os soldados romanos desenvolveram um alimento, semelhante a algo encontrado na Palestina quando ali estiveram dando origem à pizza moderna. Ok. Ok. Não é bem sobre isso que eu gostaria de falar. E talvez você diga que este artigo não tem muito a ver com nossas pretensões. Mas tem momentos em que devemos relaxar um pouco. Recentemente recebi por várias mídias, incluindo Facebook e Whatsapp, um texto que ao meu ver mostra claramente o papel da tecnologia em nosso meio.

Vamos ao texto, onde faço algumas pequenas adaptações:
O telefone toca na Pizzaria da Google.
Atendente pega o telefone: Google´s pizza. Em que posso ajudar?
– Google? Mas este telefone não é da Pizzaria do Gordo?
– Sim senhor, mas a Google comprou.
– OK. Anote aí o meu pedido.
– O Senhor vai querer a pizza de sempre?
– A pizza de sempre? Por acaso você me conhece?
– De acordo com os nossos dados, nas últimas 12 vezes, o senhor pediu meia quatro queijos, meia calabresa, massa grossa e com borda.
– Tá! Vai esta mesmo…
– Posso sugerir-lhe, desta vez, meia ricota, meia rúcula com tomate seco.
– O quê? Odeio verduras.
– Hummm. É que seu colesterol não anda bom, senhor…
– Como você sabe?
– Cruzamos o número de seu telefone com seu nome, pelo guia de assinantes. Aqui temos o resultado dos seus exames de sangue dos últimos 7 anos.
Além disso, segundo dados do Plano de Saúde, o senhor tem consultado um cardiologista.
– Ok, mas eu não quero essa pizza! Já tomo remédio…
– Desculpe-me, mas o senhor não tem tomado remédio regularmente.
Pelo nosso banco de dados, faz 4 meses que o senhor adquiriu uma caixa com 30 comprimidos para colesterol com desconto na Rede Drogasil, onde é cadastrado. Parcelou em 3 vezes sem acréscimo, conforme informações da administradora do seu cartão Visa final 5692.
– Posso ter comprado com cheque ou dinheiro, seu espertinho…
– Só se foi em dólares não declarados. O senhor emitiu apenas 2 cheques nos últimos 3 meses, segundo seus dados bancários. Suas retiradas em dinheiro costumam ser de R$ 750,00 e ocorrem pouco antes do dia 10, possivelmente para pagar sua empregada que recebe esse salário desde maio.
– Opa. Até o salário da empregada… Como você sabe?
– Pelo valor do INSS que o senhor recolhe mensalmente através de seu banco online.
– Vá se danar, seu metido!
– Me desculpe, senhor, utilizamos tais informações apenas com a intenção de ajudá-lo.
– Chega! Estou de saco cheio de Google, Facebook, Twitter, Linkedin, WhatsApp, tablets, falta de privacidade. Vou para as ilhas Fiji ou, sei lá, para outro lugar sem internet, TV a cabo, onde celular não funciona e com ninguém para me vigiar.
– Entendo senhor… Só uma última coisinha…
– O que foi agora?
– Seu passaporte está vencido.

Achei este texto fantástico. Mas em breve deixará de ser uma anedota. Já somos monitorados constantemente.

Eu trouxe este texto, muito mais para uma reflexão sobre o futuro e a capacidade da tecnologia presente entre nós. A transformação digital e inteligente veio para ficar. Tenho dado palestras e escrito em linguagem simples e orientada a negócios a capacidade inovadora que proporciona a tecnologia. Muito se ouve falar em Internet das coisas, indústria 4.0, economia digital, entre outros nomes que conectam pessoas, organizações e dispositivos. Conectividade e sensores são elementos reais que suportam toda a infraestrutura.

Na logística monitoramos caminhões e obtemos localizações e entregas em tempo real. A visibilidade na “supply chain” se identifica permitindo replanejamentos em função de prévio aviso de falta de materiais. O consumidor recebe informações de quando o veículo deixa o centro de distribuição e a sequência de sua entrega. Estes exemplos já são reais.

Em pouco tempo a tecnologia irá permitir ao atendente da pizzaria recomendar qual pizza você deverá comer, baseado no comportamento de sua saúde. Bem, por enquanto parece ainda ser uma anedota. (por enquanto!!!)

Que a força esteja contigo.

Paulo Roberto Bertaglia Paulo Roberto Bertaglia
  • Fundador e Diretor Executivo da Berthas, atuou nas empresas: IBM, Unilever, Hewlett-Packard e Oracle. Ao longo da carreira tem se especializado nas áreas de Supply Chain Management, Gestão estratégica de Negócios, Liderança, Vendas e Terceirização de Serviços. Professor de pós-graduação em Logística, Gestão Estratégica de Negócios e Tecnologia da Informação.
  • Autor de vários livros entre eles Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento – Editora Saraiva, 3ª edição – 2016
  • Realiza palestras de temas estratégicos, cadeia de abastecimento e liderança empresarial para empresas e instituições educacionais
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Savoy
Brasil Log
Brasil Log
Brasil Log
Retrak
Veloe
Forexsa Toyota Profishop 2019 Alphaquip