Facebook Twitter Linkedin Instagram
Entrevista 5 de fevereiro de 2018

Martin Aron critica aumento do ISS em Santos e incoerências do Reporto

Presidente da ABTTC – Associação Brasileira dos Terminais Retroportuários e das Empresas Transportadoras de Contêineres, Martin Aron é economista e também desenvolve atividades como consultor no segmento portuário brasileiro para grandes empresas do setor. Na Libra Terminais, atuou como diretor administrativo e financeiro e depois como diretor de relações institucionais. Além disso, é membro do Conselho Fiscal da Codesp e do CAP do Porto de Santos, diretor do Deinfra – Logística e Transportes, da Fiesp, e diretor regional (Santos-SP) do Ciesp, entre outros títulos. Por este currículo e por sua atuação em logística portuária, Aron é uma das vozes mais influentes do setor. Nesta entrevista, entre outros assuntos, ele critica o aumento do ISS em Santos, aprovado no fim de 2017, e aponta correções no Reporto.

Modal Marítimo: Como os serviços retroportuários estão organizados no Brasil?
Martin Aron: Atualmente, os serviços retroportuários integram a cadeia logística do Comércio Exterior em seu sentido mais amplo, ou seja, as empresas que atuam no segmento procuram melhorar sua eficiência por meio de inovações tecnológicas, treinamentos intensivos e racionalização de procedimentos. A ABTTC, cumprindo seu papel e dentro de suas possibilidades, tem sido o principal canal de interlocução com os órgãos anuentes e reguladores do setor.

MM: Quais os maiores desafios enfrentados pelo segmento?
MA: Assim como na maioria dos setores, o desaquecimento da economia nos últimos anos provocou em nosso segmento uma série de medidas inevitáveis, algumas totalmente indesejáveis, como demissões, interrupção ou reprogramação de investimentos, com os consequentes resultados negativos. O maior desafio, sem dúvida, será atingir os resultados anteriores à crise, mas todos sabemos que decrescer é mais rápido do que crescer.

MM: Como eles podem ser vencidos?
MA: Seria muita presunção e soberba de nossa parte apresentar aqui uma solução. A economia brasileira é muito complexa e as soluções devem ser buscadas passo a passo, para cada empresa e cada segmento. O setor retroportuário não foge à regra. Desde que o governo federal anterior editou a nova Lei dos Portos, a Lei 12.815, em 2012/2013, os investidores e as empresas vêm buscando alternativas que tragam segurança jurídica para os novos projetos de infraestrutura. O setor retroportuário está e continuará participativo e integrado a tudo que se refira ao melhoramento da infraestrutura portuária do Brasil. Temos apoiado e contribuído em grande parte dos fóruns de discussão e debates sobre esse tema.

MM: Quais os planos da ABTTC e quais as expectativas para o setor no próximo ano?
MA: Em 2016 e 2017, a ABTTC deu maior ênfase a aspectos regulatórios, realizando, em colaboração com os órgãos de controle aduaneiro e de regulação, diversas reuniões e apresentações de sistemas. Também fizemos esse trabalho com a Autoridade Portuária e com as prefeituras da região. Nossas reuniões são abertas a toda a comunidade e não apenas às empresas associadas, pois entendemos que estamos prestando um serviço necessário e produtivo. Tivemos eventos com participação superior a 100 profissionais, o que demonstra a aceitação desse projeto da ABTTC. Pretendemos seguir em 2018 nesse caminho e aproveitamos para anunciar que estamos em fase final de acerto para uma longa parceria com o CIESP-Santos, Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, em atividades de treinamento, apoio e afins.
Quanto às expectativas para o setor em 2018, o final do ano de 2017 trouxe uma má notícia aos que atuam em Santos: o aumento do ISS das operações portuárias, que passou de 3.0% para 5,0%. Entendemos que foi uma decisão inoportuna, apoiada maciçamente pelos vereadores, num momento em que a economia do país dava tímidos sinais de retomada de crescimento. Mesmo assim, não podemos e não queremos ser pessimistas, as empresas saberão responder a mais esse desafio com a coragem e a superação de sempre.

MM: Quais as maiores exigências do setor?
MA: A ABTTC luta, há muitos anos, para que as empresas retroportuárias sejam contempladas pelo Reporto – Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária. Trata-se de uma crueldade administrativa ou burocrática sem nenhum sentido e que faz com que nossas empresas não consigam competir em igualdade de condições com empresas concorrentes. Já fizemos inúmeras gestões junto ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio-MDIC, Câmara Federal, etc. Um exemplo do absurdo resultante: empresas localizadas a 2.000 km do porto usufruem do Reporto e nossas empresas, localizadas a 200 metros do porto, não têm esse direito. Há algo a corrigir, é evidente.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Savoy
Brasil Log
Brasil Log
Brasil Log
Retrak
Veloe
Forexsa Toyota Profishop 2019 Alphaquip