Facebook Twitter Linkedin Instagram
Condomínio logístico 11 de março de 2019

Mercado de condomínios logísticos se recupera em 2018 e otimismo segue neste ano

 

O mercado nacional de locação de condomínios logísticos de alto padrão apresentou recuperação em 2018 e possibilidade de bons negócios em 2019, segundo a pesquisa First Look, da JLL.

No ano passado, foram mais de 2 milhões de m² negociados, sendo 1,2 milhões de m² em absorção líquida, o dobro do que foi registrado em 2017. O indicador, que expressa a diferença entre áreas locadas e devolvidas, demonstra o crescimento da demanda e a expansão real do mercado.

Já a taxa de vacância fechou o ano em 22%, três pontos percentuais a menos que em 2017 e o menor número dos últimos três anos.

 

Condomínios logísticos crescem em outras regiões

O último trimestre do ano mostrou que o segmento de condomínios logísticos têm avançado para além do eixo Rio-São Paulo e a tendência deve se expandir nos próximos anos, segundo Renan Cardoso, do time de Pesquisa e Inteligência de Mercado da JLL.

“Paraná, Minas Gerais e Nordeste são regiões secundárias que estão crescendo. Destaque para o Paraná, que teve grande presença no mercado, e cujo volume absorvido em 2018 foi quatro vezes maior que o registrado no ano anterior”, diz.

Das seis maiores transações do quarto trimestre, três aconteceram fora do eixo Rio-São Paulo. Os estados de Minas Gerais, Paraná e Ceará receberam absorções acima de 20 mil m² (Privalia, Magazine Luiza e Avon, respectivamente). Somadas, estas transações representam 12% do total de absorções do trimestre. As outras três maiores aconteceram em São Paulo, nas regiões de Jundiaí (Brasilata), Sorocaba (Arch Química) e Araçariguama (Inbetta).

“O movimento foi tanto de empresas que expandiram sua operação como de negócios que saíram de um galpão isolado para um condomínio logístico em busca de inovação e tecnologia”, diz Cardoso.

De acordo com o levantamento da JLL, os principais segmentos envolvidos nas transações de 2018 em São Paulo foram:

Atacado, varejo e distribuidores: 36%
Indústria: 33%
Logística e transporte: 27%

No Rio de Janeiro, os segmentos de destaque nas transações em 2018 foram:

Atacado, varejo e distribuidores: 44%
Indústria: 32%
Logística e transporte: 22%

 

Entregas de condomínios logísticos seguem moderadas

O Brasil fechou o ano com um total de 589 mil m² de novos estoques. Desse total, os estados que mais receberam novos estoques durante o ano são também aqueles com maior participação: São Paulo responde por 36%, seguido por Rio de Janeiro (21%) e Minas Gerais (17%). O maior empreendimento do ano foi o CL Aeroporto de Guarulhos (85 mil m²), entregue no terceiro trimestre de 2018.

Com 192 mil m², o quarto trimestre teve o maior volume de entregas no ano, com destaque para a região Nordeste, com 90 mil m² entregues: 51 mil m² no Ceará, 22 mil m² em Pernambuco e 17 mil m² em Sergipe.

A previsão para 2019 é que seja entregue um total de 634 mil m², distribuídos por seis estados brasileiros (São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Minas Gerais, Ceará e Sergipe). De acordo com Cardoso, a maior parte dessas entregas está prevista para o primeiro trimestre e em São Paulo. “O ritmo das entregas neste ano será moderado, mantendo a tendência observada em 2018”, conclui o especialista da JLL.

O preço pedido médio variou pouco nos últimos trimestres e fechou o ano estável, a R$ 18,22, e sem previsão de grandes variações nos próximos meses.

Para ver o relatório First Look JLL completo, clique aqui.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Brasil Log
Brasil Log
Brasil Log
Savoy Retrak w6connect
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Revista Logweb