Facebook Twitter Linkedin Instagram
Modal Marítimo 14 de novembro de 2017

Praticagem de São Paulo recebe Prêmio Antaq pelo Redfrat

A Praticagem de São Paulo e a empresa Argonautica receberam na noite da última quinta-feira o “Prêmio ANTAQ 2017”, na categoria “Iniciativas Inovadoras”, por sua contribuição para melhorar a segurança e a eficiência do tráfego aquaviário com o desenvolvimento e utilização do “Redraft – Calado Real”, um sistema inédito, implantado em 2016 nas operações dos portos de Santos e São Sebastião.

“Com o crescimento das dimensões dos navios, a Praticagem de São Paulo realizou grandes investimentos para garantir a segurança nas manobras num porto com as características do de Santos: estreito, raso e sinuoso”, disse o presidente da Praticagem de São Paulo, Nilson Ferreira. Ele entende que “esse prêmio é uma recompensa aos esforços e investimentos da Praticagem, que beneficiaram o setor portuário como um todo”.

Os resultados podem ser medidos, uma vez que o emprego do Redraft já permitiu elevar em 50% a eficiência da movimentação dos navios em condições de mau tempo.

O REDRAFT – Com o Redraft, basta um clique para saber se um navio com grande calado tem condições seguras de trafegar pelo Canal do Porto de Santos em determinado momento e, assim, otimizar o aproveitamento das “janelas de maré”, nesta época em que navios com dimensões gigantescas frequentam o Porto, cuja condições geográficas permanecem praticamente inalteradas há décadas.

Até o ano 2000, a maior parte dos navios que operavam no cais santista apresentava arqueação bruta entre 10 e 30 mil toneladas, com no máximo 225 metros de comprimento e 32 metros de largura. Dezesseis anos depois,a arqueação bruta predominante é de mais de 50 mil toneladas e o comprimento dos navios aumentou significativamente, atingindo 336 metros.

Desenvolvida em parceria entre a empresa Argonáutica e a Universidade de São Paulo (USP) com exclusividade para a Praticagem de São Paulo, essa tecnologia é pioneira no Brasil. O operador do Centro de Coordenação, Comunicações e Operações de Tráfego (C3OT) tem à sua disposição no sistema da pauta de serviços as informações necessárias à manobra de qualquer navio confirmado. Para aqueles navios de maiores calados, o operador pode acessar o software que, a partir de informações sobre as dimensões do navio (calado, comprimento, boca, etc) e informações dos dados climáticos, hidrográficos e oceanográficos, aponta qual será a folga mínima entre o fundo do navio e o fundo do mar e em que ponto da trajetória do navio pelo canal essa folga ocorrerá.

Com isso, passou-se a utilizar o conceito de calado dinâmico, obtido a partir do navio em movimento, considerando as suas características físicas, os efeitos hidrodinâmicos e a influência de correntes de maré, dos ventos e das ondas que sobre o navio incidem.

SISTEMA INÉDITO
Por trás dessa operação, está a inédita tecnologia desenvolvida pela empresa Argonáutica em conjunto com Tanque de Provas Numérico da Universidade de São Paulo (TPN –USP). “É o primeiro projeto desse tipo desenvolvido e instalado no Brasil e também no mundo”, comenta o coordenador do TPN-USP, professor Eduardo Tannuri, salientando que com o emprego do Redraft já é possível observar relevante aumento na eficiência das manobras, mantendo a segurança. O sistema determina qual é o maior calado possível para transitar de forma segura, ou seja, sem risco de o navio tocar o fundo ou perder a sua manobrabilidade.

Segundo o presidente da Praticagem de São Paulo, Nilson Ferreira dos Santos, a ideia de desenvolver o sistema nasceu da preocupação com o constante crescimento das dimensões dos navios, ao mesmo tempo em que as condições geográficas do porto continuam as mesmas. “Não se trata de simples aumento do calado dos navios, mas o crescimento de todas as dimensões, como comprimento, largura e altura. A massa deslocada é cada vez maior, sofrendo influência mais acentuada de fatores como ventos e ondas”.

Para se adequar a essa nova realidade e manter o nível de segurança na navegação, a Praticagem de São Paulo investe permanentemente em tecnologia para obter dados precisos que garantam as manobras com o maior índice possível de segurança.

Mas não apenas em tecnologia. Grande atenção também é dada aos treinamentos de atualização dos práticos. Além dos obrigatórios, são feitos periodicamente cursos em instituições como Port Revel, na França, onde é possível a simulação de manobras em réplicas em escala de grandes navios, num programa de qualificação em que o profissional passa por situações inesperadas e tem de tomar a decisão certa para evitar um acidente ou minimizar seus efeitos.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Maplink Toyota
LOGCP
Retrak
Paletrans
Alphaquip
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Top do Transporte