Facebook Twitter Linkedin Instagram
Logística 10 de novembro de 2017

Protiviti alerta sobre os riscos mais comuns na cadeia logística das empresas

O planejamento do Supply Chain envolve decisões nos níveis estratégico, tático e operacional sobre como fornecer seus produtos e serviços aos clientes. O foco destas decisões geralmente está na busca pelo aumento da eficiência e da redução de custos, além do alcance dos níveis de serviço. Mas como os riscos associados a este planejamento estão sendo observados e tratados pelas companhias?

De acordo com Daniela Coelho, gerente da área de Business Performance Improvement na consultoria global Protiviti, especializada em gestão de riscos e compliance, por conta das atuais pressões sofridas no mundo empresarial – tanto no ambiente interno com a redução de custo e atendimento de prazos cada vez menores, quanto no externo, com as incertezas políticas, criminalidade e corrupção – a gestão de riscos ganha importância nas empresas. “Do ponto de vista de oportunidades, uma cadeia logística bem gerenciada traz melhorias no capital de giro, impactando diretamente nos resultados, reduzindo perdas e incertezas”, completa Daniela.

Para ajudar as companhias a identificarem as complexidades crescentes no Supply Chain, a Protiviti lista abaixo os riscos mais comuns presentes nas principais etapas da cadeia logística:

1. Planejamento – Deficiências no planejamento da demanda, além da falta de integração entre as diversas áreas, têm como resultado a ruptura, que gera falhas no atendimento ao cliente. Outro risco bastante crítico é a obsolescência, causando perdas de estoque e impactos no capital de giro das empresas.

2. Área de compras – Além do não fornecimento dos serviços e produtos, os fornecedores podem gerar riscos legais e de compliance. Questões como formalização contratual, monitoramento, auditorias e alinhamento ético devem ser considerados para respaldar as empresas das incertezas causadas pelos fornecedores.

3. Produção – Problemas de qualidade com produtos podem fazer com que as empresas percam market share. Outra consequência é a realização de campanhas de recall, que a cada ano bate recordes no Brasil. Além dos custos com logística reversa e comunicação, os riscos com imagem podem ser incalculáveis.

4. Armazenagem e estoque – Armazenagem e manuseio inadequados geram riscos de perdas de insumos e produto acabado, inviabilizando sua comercialização. Outro aspecto são os desvios desses itens, comuns em empresas de todos os segmentos.

5. Distribuição e Transporte – Aqui temos mais um recorde negativo para o País com altos índices de assaltos nas rodovias. Se não bastasse este cenário, os custos logísticos chegam a 12,2% do PIB (Produto Interno Bruto), enquanto em países como os Estados Unidos não passam de 8%.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Maplink Toyota
LOGCP
Retrak
Paletrans
Alphaquip
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Top do Transporte