Facebook Twitter Linkedin Instagram
Investimento 7 de dezembro de 2017

Suzano paga R$ 310 milhões em fábrica para acelerar sua entrada no varejo

A companhia de papel e celulose Suzano anunciou nesta segunda-feira, 4, a compra da Fábrica de Papel da Amazônica (Facepa), com unidades em Fortaleza e Belém, para acelerar a entrada da companhia no varejo. Em agosto, a empresa havia anunciado a intenção de criar uma nova marca de papel higiênico e de outros produtos derivados do papel.

Para tanto, investirá R$ 540 milhões nas unidades de produção de Mucuri (BA) e Imperatriz (MA). Com a aquisição da Facepa por R$ 310 milhões, a aposta na venda direta ao consumidor chega a R$ 850 milhões.

Ex-presidente da Unilever no México, o brasileiro Flávio Prado vai capitanear a área de bens de consumo da Suzano. Segundo ele, a compra de 93% da Facepa, vai dar velocidade ao processo.

O objetivo, de acordo com o executivo, é conseguir todas as aprovações necessárias ao negócio até o fim do primeiro trimestre. Com essa etapa resolvida, a Suzano iniciará, de forma efetiva, sua experiência no varejo.

Embora as marcas da Facepa sejam pouco conhecidas na maior parte do País, Prado explicou ao Estado que a empresa detém cerca de 15% do mercado de papel higiênico nas regiões Norte e Nordeste. Além das marcas – Blanc, Floral, Tutto e Nino -, a companhia também está presente no varejo de fraldas, com a Maxx Baby.

O executivo diz que a aquisição ajuda na “migração” da Suzano para o varejo, pois garante acesso a uma estrutura de produção e distribuição já em funcionamento.

O processo de criação de uma marca nova da Suzano continua correndo de forma paralela. Prado explica que o objetivo inicial da empresa foi sempre começar a distribuição no Norte e Nordeste, tanto pela proximidade com as fábricas quanto pelo mercado ainda pouco desenvolvido.

Hoje, o consumo médio de “tissue” (tipo de papel voltado para produtos higiênicos) no Brasil está em 6 kg por habitante – nessa conta entram papel higiênico, guardanapos e lenços de papel, por exemplo. A média do Nordeste, no entanto, é bem menor: 2,5 kg por habitante.

Flávio Prado chegou à Suzano para montar uma equipe de bens de consumo que hoje tem sete diretores – todos os profissionais, conta ele, têm entre 15 e 20 anos de experiência na relação com o varejo.

Em entrevista ao sobre o projeto em agosto, o presidente da Suzano, Walter Schalka, disse que o objetivo da fabricante de papel e celulose é ter uma linha de produtos completa para oferecer ao consumidor. “Não somos ‘experts’ ainda, mas já vamos começar nesse setor jogando”, disse ele.

Segundo a consultoria Euromonitor, o mercado de papel higiênico deve movimentar R$ 7,1 bilhões em 2017, com previsão de expansão de 1,8% sobre o resultado de 2016. As cinco principais marcas somam 44% do setor – o que evidencia ainda uma pulverização. As líderes no País são Personal, Mili, Neve, Paloma e Sublime, informa a consultoria.

Estratégia. A decisão da Suzano em comprar a Facepa é considerada estratégica para o setor. Segundo Elizabeth Carvalhaes, presidente da Ibá, entidade que representa as empresas de papel e celulose, o Brasil é importador de celulose do tipo “fluff” (matéria-prima usada para a produção de papel higiênico, fraldas e absorventes, por exemplo).
O quadro poderá se inverter no longo prazo. Com a entrada da Klabin neste segmento no ano passado, seguido agora pela Suzano, essa relação poderá se inverter.

“Há uma tendência de aumento de consumo nos países emergentes. O Brasil, que já é o maior produtor global de celulose, também ganhará maior relevância nesse segmento”, disse.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Maplink Toyota
LOGCP
Retrak
Paletrans
Alphaquip
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Top do Transporte