Facebook Twitter Linkedin Instagram
Modal Marítimo 7 de novembro de 2019

TCP inaugura obras de ampliação

 

A TCP – empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá – inaugurou no dia 10 de outubro último as obras de ampliação do Terminal, que recebeu investimentos superiores a R$ 600 milhões, sendo a maior obra do setor portuário do Brasil nos últimos anos.

Com a finalização das obras – que incluem a ampliação do cais e da retroárea – o cais da TCP passou de 879 metros para 1.099 metros de extensão e de 40,75 metros para 50 metros de largura, e também iniciou a operação de dois novos portêineres fabricados pela empresa chinesa ZPMC (Shanghai Zhenhua Port Machinery Co. Ltd). Com a expansão e a consequente possibilidade de o terminal operar simultaneamente três dos maiores e mais modernos navios de contêineres em operação na América Latina – além de um navio de transporte de automóveis, que atracará em dolphins exclusivos –, o Terminal de Conteinêres de Paranaguá ampliará em 60% sua capacidade de movimentação, que passará de 1,5 milhão de TEUs/ano para 2,5 milhões de TEUs/ano.

Retroárea – As obras incluem, ainda, a extensão da retroárea, que será ampliada de 330.000 m² para cerca de 500.000 m² e fazem parte do acordo de renovação antecipada do contrato de arrendamento do Terminal por mais 25 anos, a partir de 2024, assinada em abril de 2016 junto ao Governo Federal.

“Com isso estamos preparados para suportar o crescimento da demanda de exportações, importações, cabotagem e transbordos em nossa área de abrangência pelos próximos 30 anos”, afirmou Juarez Moraes e Silva, diretor Institucional da empresa.

Tecnologia – As obras de expansão contaram com tecnologia avançada, baseada em estacas em vez de aterros, o que, além de melhorar a qualidade final, garante menor impacto ambiental. “Usualmente, a expansão de um terminal é feita por meio de um aterro sobre o mar, o que gera mais impacto ambiental e menos qualidade final. Em nosso caso, toda a expansão foi feita com base em estacas sob o mar”, explicou Moraes e Silva.

O cais de atracação, por exemplo, foi equipado com cabeços duplos de amarração e defensas cônicas duplas, permitindo obras de dragagem de até 16 metros, o que possibilitará operar os maiores navios de contêineres pelos próximos 30 anos. “Além disso, ele também conta com sistemas de sinalização, iluminação em LED, sistemas de combate a incêndio e um inovador sistema de proteção para captação de águas oleosas, o que demonstra a constante preocupação da TCP com o meio ambiente”, disse o diretor Institucional da empresa.

Já a retroárea, além de construída sobre um sistema de estacas, foi equipada com sistemas de iluminação em LED, três subestações de energia, sistemas de drenagem, sistemas de monitoramento que atendem as mais rigorosas normas internacionais e uma extensa rede de infraestrutura seca preparada para receber, no futuro, a modernização dos equipamentos elétricos de movimentação de contêineres. “Para proteção ambiental, a área expandida também utilizará um sistema de proteção para que, em caso de derramamento de óleo e outros produtos perigosos, estes fiquem retidos no sistema de separação, impedindo que cheguem ao mar”, finaliza o diretor Institucional.

Nova empilhadeira – A TCP também adquiriu uma nova empilhadeira trilateral para o armazém de importação. Da marca STILL, ela foi fabricada na Alemanha sob medida para o Terminal e deve aumentar em 50% a capacidade de movimentação dentro do armazém, que possui 10.504 m², capacidade para mais de 9.000 posições-paletes e é dedicado a cargas em geral. “Trata-se de um equipamento especial que consegue levantar até 1.300 quilos.  A empilhadeira foi projetada especificamente para o Terminal e consegue operar portapaletes muitos altos, se movimentando em um corredor estreito, dedicado a ela”, explica Alexandre Rubio, diretor Comercial da TCP.

Newsletter
Cadastre-se aqui


Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Toyota
Translifit
Retrak
Manufacturing Summit Brazil