Facebook Twitter Linkedin Instagram
Tecnologia 7 de novembro de 2019

Telemetria: tendência na logística, é aplicada para monitoramento do transporte de cargas e trazer segurança

Entre os recursos de TI que trazem avanço, segurança e agilidade, entre outros benefícios, ao processo logístico está a telemetria, um sistema de envio de dados, normalmente de monitoramento, via telecomunicação. Aqui, ela é usada para o monitoramento do transporte de cargas, garantindo a segurança do veículo, dos produtos e do transportador, caso ocorra algum acidente ou desvio de carga. Além disso, com a fiscalização da telemetria e as informações por ela registradas e transmitidas, é possível aperfeiçoar o desempenho de cada veículo.

Por estas características, a telemetria pode ser considerada uma tendência na logística, como afirma Alexandre Fagundes, gerente de Marketing e Produtos na MiX Telematics – líder global no fornecimento de informações para gestão de frotas, segurança do motorista e de soluções de rastreamento de veículos.

Segundo ele, o mercado cada vez mais competitivo demanda mais eficiência, redução de custos de manutenção e consumo, e os embarcadores, por conformidade com a normas internacionais, demandam redução no risco de acidentes e no impacto ecológico. Essas demandas são resolvidas pelo investimento em tecnologia, a frente delas, a telemetria, já que ela ajuda na gestão da frota, reduzindo riscos de acidente, custos de manutenção e consumo de combustível, além de otimizar o uso da frota. A telemetria também está sendo usada no monitoramento dos ativos da empresa, carretas, contêineres, carga, ativos de alto valor e até para pessoas.

Por outro lado, se os empresários do transporte ainda não haviam entendido que a telemetria é um investimento que reduz os custos do transporte, essa visão vem mudando, especialmente na nova geração de empresários. As empresas do setor vêm se profissionalizando e precisam de uma gestão mais eficiente para atingir os seus objetivos. Ainda assim, Fagundes vê uma carência de profissionais que entendam como utilizar a telemetria para atingir os seus resultados, e esse, talvez, seja o maior entrave para a adoção da tecnologia em larga escala.

O gerente de Marketing e Produtos na MiX Telematics entende que se essa já é uma tendência inevitável – a telemetria –, as empresas se profissionalizando, os profissionais se qualificando, e o mercado cada vez mais competitivo vão forçar a adoção em larga escala da tecnologia, o que já está acontecendo em alguns segmentos, como no agronegócio e no mercado de óleo e gás.

 

Rede Marajó

Quem já aderiu ao uso da telemetria foi a Rede Marajó, maior grupo revendedor de combustíveis da Shell do Brasil, líder no mercado rodoviário e a única Rede que atende toda a Rodovia Belém-Brasília.

“Por transportar combustíveis para a Rede, precisávamos da telemetria para controlar a jornada dos motoristas, bem como o trajeto, a retirada do combustível, o excesso de velocidade e as infrações. Também necessitávamos de ferramentas para melhorar a segurança e controlar a jornada de trabalho dos motoristas, de acordo com a Lei 13.103”, explica Fabiane Cândido, gerente Administrativa de Transportes da Marajó.

Sobre a opção pela MiX Telematics, a gerente diz que, para cargas perigosas, a tecnologia é fundamental, pois o transporte deve ser feito com extremo cuidado. “A telemetria da MiX permite ter 100% do aproveitamento da frota, ou seja, controle de jornada, controle de todo o trajeto, controle de retirada de combustível, excesso de velocidade, infrações do motorista. Além disso, temos relatórios de pronto atendimento e canal de comunicação direta.”

O processo de implantação da tecnologia também foi bem rápido – em torno de um mês e meio, até a instalação integral da frota. Os motoristas também passaram por adaptação e fizeram treinamentos internos para aprender a usar a telemetria.

Fabiane conta que, além do controle da jornada, usam a solução MiX Smart – Rotograma Falado, tecnologia que informa aos motoristas se estão excedendo a velocidade permitida e padronizada pela empresa. Quando o motorista ultrapassa a velocidade de 75 km/h, por exemplo, o sistema emite um sinal sonoro para alertar e corrigi-lo, garantindo mais segurança na operação.

“Com a telemetria, passamos a ter controle total da frota e a gerenciar a jornada de trabalho. Temos também informações precisas sobre velocidade, direção, pesos por eixo, entre outros pontos, que são fundamentais para segurança do motorista e da carga transportada. Assim, diminuímos riscos trabalhistas e temos controle total de violações de direção dos motoristas. Por meio dos relatórios, podemos saber exatamente como nossa frota está se comportando e, assim, evitar riscos para toda a operação, que é mais segura, graças à solução da Mix”, completa Fabiane.

 

Della Volpe Transportes

Há mais de seis décadas no mercado, a Della Volpe Transportes é reconhecida como uma das principais empresas no setor de transporte do país, atuando com cargas perigosas e cargas secas dos mais diversos segmentos.

Ela também adotou a telemetria. “Tínhamos necessidade da telemetria em função do passivo trabalhista, que chegava a R$ 6 milhões por ano. Antes, o controle era feito no diário de bordo e depois confrontávamos com o tacógrafo. Isso nem sempre trazia a realidade correta e, assim, perdíamos ações trabalhistas. Em razão dos valores dos passivos trabalhistas, começamos, em 2014, o projeto de telemetria. Depois de colocar a frota dentro de um padrão rigoroso de qualidade, começamos a trabalhar na questão da segurança”, explica Ezequiel Oliveira, gestor de projetos da empresa.

Ele também comenta que a telemetria traz um retorno muito vantajoso e, no caso da Della Volpe Transportes, a redução do passivo trabalhista foi enorme, isso sem falar que o sistema traz análises muito importantes, que permitem a tomada de decisões rápidas.

“Hoje temos uma das frotas mais vigiadas e bem preparadas do Brasil. Passamos a vigiar mais a operação e começamos a avaliar pontos extremamente importantes. Por exemplo, contratos que previam prazos curtíssimos para entregas – o que trazia sérios riscos de acidentes no trajeto – puderam ser revistos. Assim, nossos motoristas podem viajar de forma segura”, diz Oliveira.

Sobre como a telemetria funciona na empresa, o gestor diz que a solução de “Jornada de Trabalho” é um software com sistema automático – basta o condutor se identificar por meio da “Chave Azul”. No início da viagem, ele insere a chave no veículo e sua atividade começa a ser contabilizada. “Além disso, temos relatórios completos, que substituem as antigas papeletas, que não refletiam a realidade da jornada dos motoristas.”

Sobre os benefícios do sistema, ele diz que os resultados não demoraram a aparecer – de 180 mil horas extras por mês (em média), hoje são 60 mil. Além disso, a redução de combustível foi de 20%.

 

Arnosti Transportes

Transportar combustível pelas estradas brasileiras é uma tarefa que exige especialização e atendimento de toda e qualquer legislação. Para isso, tecnologia e capacitação de mão de obra são fundamentais para o dia a dia das operações.

De olho nisso, a Arnosti Transportes, empresa que transporta combustíveis há quatro décadas, fazendo transportes intermunicipais, interestaduais e Internacionais, atuando principalmente na região Sudeste do país, buscou parceria com a MiX Telematics para atingir as seguintes metas: melhorar a gestão de rotas e prazos de entrega, bem como a utilização dos veículos; rastrear, em tempo real, veículos e motoristas para melhorar o desempenho; identificar, monitorar e gerenciar o comportamento do motorista e corrigir a condução inadequada, bem como implementar treinamentos específicos para cada situação; e controlar eletronicamente as válvulas de fundo de descarga com coordenadas específicas para abertura e fechamento.

Para isso, a Contech, parceira da MiX Telematics e especialista no mercado de óleo e gás, implementou a solução Premium de telemetria. A empresa também instalou uma válvula de fundo com Inteligência Embarcada, que libera a descarga dos produtos remotamente.

Após a conexão de mais de 80 veículos, a Arnosti começou a colher os resultados almejados. O controle eletrônico das válvulas de fundo de descarga garante que o produto esteja sendo entregue no local programado.

Por meio de monitoramento de violações e infrações, houve melhora na segurança da operação e otimização do uso da frota. A Arnosti ainda passou a controlar eletronicamente a jornada de trabalho dos motoristas.

“A solução também permitiu a redução na emissão de CO2 na atmosfera com impacto positivo para o meio ambiente”, finaliza Luis Carlos Arnosti, diretor da Arnosti.

Newsletter
Cadastre-se aqui


Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Toyota
Translifit
Retrak
Manufacturing Summit Brazil