Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Logística Setorial 8 de outubro de 2021

Agronegócio também se moderniza, principalmente com novas tecnologias aplicadas ao setor de transporte

Aqui, os recursos utilizados em outros segmentos também passam a ser implementados. Plataformas de frete, aplicativos de caminhoneiros, gestão de frotas, bancos digitais agora também fazem parte deste setor que vem surpreendendo.

A revolução dos aplicativos de frete no agronegócio
O serviço de logística no agronegócio é reconhecido pelo seu modelo de negócios off-line e terceirizado, em que a contratação do frete e a busca por motoristas costumam ser manuais. Entretanto, as informações divulgadas no primeiro semestre deste ano pela Fretebras, site que disponibiliza os números de fretes oferecidos pelas transportadoras, contradizem essa concepção. De acordo com a pesquisa, que reuniu mais de três milhões de empresas, o volume de fretes rodoviários por celular aumentou 67% comparado ao mesmo período no ano passado.
A mudança pode ser explicada por dois fatores: a alta de 27% na produção de grãos (milho, soja e algodão), indicado no estudo Projeções do Agronegócio, produzido pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e o aumento do interesse em utilizar os aplicativos de frete para a contratação dos serviços de transporte.
De acordo com a Fretebras, o Rio Grande do Sul e o Paraná foram os que mais solicitaram orçamentos durante o período analisado, com um terço dos totais de fretes contabilizados no estudo. Esse desempenho contribuiu para que, apesar do início de ano com resultados abaixo do esperado devido à pandemia, os empregos no agronegócio na região Sul se mantivessem até a chegada das vacinas.
O diretor de desenvolvimento de negócios da Rodovico Transportes, Diego Nazari, que presenciou e participou dessa mudança, atribui essa sustentabilidade ao uso de tecnologias no transporte de cargas. Na sua visão, “o transporte no agronegócio, antes da introdução dos aplicativos no mercado, pedia o auxílio a alguém com anos de experiência na área que conhecesse a oferta de caminhões e a precificação do serviço. Com as plataformas de frete, o serviço fica inteligente e dinâmico. Agora, temos os dados que comparam a quantidade de veículos entre as regiões e permitem a contratação do frete conforme a necessidade do cliente. Gosto de dizer que é uma forma inteligente de operar, sem trabalhar no achismo”.
Desde setembro, a Rodovico conta com o apoio do Tmov, aplicativo desenvolvido pela Sotran Logística, logtech especializada na logística no agronegócio. A organização recebeu, em 2016, um investimento milionário do Arlon Group, fundo de investimentos localizado nos Estados Unidos focado no mercado de alimentos, para a criação do software. Já em 2021, o suporte da Fit Investimentos, empresa de consultoria brasileira, contribuiu para a digitalização dos 180 mil caminhoneiros cadastrados no Tmov.
Os resultados puderam ser notados desde o ano passado, em que o faturamento do aplicativo aumentou mais de um bilhão de reais. E segundo o CEO da Sotran, Charlie Conner, as projeções neste ano são de um crescimento de 40% das receitas da Sotran.
Nazari, da Rodovico, credita a maior parte desse sucesso à simplificação que o aplicativo permite na contração e no pagamento do motorista. “O Tmov possui um sistema de cadastro com reconhecimento óptico de caracteres, o que permite uma leitura rápida de documentos e das informações do motorista. Trabalhar dessa maneira elimina uma série de etapas que, antes, fazíamos manualmente e que necessitavam de custos adicionais para a contratação do pessoal especializado para realizá-las”.
Se realizado da maneira antiga, o rendimento pela prestação de serviços nas empresas pode apelar para práticas antiéticas, como a carta-frete, modelo de remuneração proibida no Brasil pela Lei nº 12.249/2010, em que o valor pago no contrato do caminhoneiro é realizado por meio de trocas por combustíveis, hospedagens e refeições. Com a digitalização do serviço, são retirados os intermediários na operação, e o depósito é feito no próprio aplicativo por meio de um cartão de débito Visa.
Além disso, as plataformas de frete apresentam um aumento de eficiência no fluxograma da empresa. Diego afirma que a Rodovico espera aumentar os seus ganhos em 40% e reduzir os seus custos em 25%.

Fintech do agronegócio e startup lançam aplicativo para caminhoneiros
Para inovar e se tornar uma ferramenta cada vez mais completa no setor do agronegócio, a WTK Agro – primeiro banco digital voltado exclusivamente ao agronegócio – fechou parceria com a startup Siga Com Você e investe na área. A aposta da fintech é no aplicativo Siga Com Você, voltado aos trabalhadores do transporte de carga. Na plataforma, o motorista tem acesso a diversos serviços que auxiliam em suas viagens, tais como gerenciamento de rota, indicação dos melhores pontos e momentos para descanso, oferta de serviços aos seus contratantes, dentre outras funcionalidades. Estéfanne Nunes, gerente comercial da WTK Agro, explica a importância da parceria. “Queremos atingir cada esfera do agronegócio, de ponta a ponta. Nosso trabalho começa com o pequeno produtor, que planta e colhe. Agora, estamos chegando naqueles que, de fato, levam o alimento ao povo brasileiro, os caminhoneiros”, conta. De acordo com a Empresa de Planejamento e Logística do Governo Federal (EPL), relatado em estudo da Escola Superior de Agricultura da USP, cerca de 60% dos transportes de granéis sólidos agrícolas do país são feitos por meio da matriz rodoviária. O diretor de operações da startup Siga Com Você, Phillippi Gonçalves, também relata a importância dessa parceria e da contribuição do time de tecnologia da WTK para a execução de algumas das funcionalidades do aplicativo. “A WTK Agro não entra apenas como um investidor, mas como um parceiro de negócios. É por causa dessa junção que conseguimos acelerar alguns sonhos antigos e lançar o aplicativo. Além disso, a equipe de tecnologia da fintech foi essencial para finalizarmos o nosso sensor de fadiga, por exemplo, que será disponibilizado gratuitamente aos usuários”, conta Gonçalves. O aplicativo – O Siga com você é o aplicativo do caminhoneiro. Na plataforma, o motorista tem acesso a diversos serviços para melhorar suas viagens, sendo quatro as principais funcionalidades do app: gerenciamento de rotas, mapeamento de paradouros, sensor de fadiga e contratação de frete. Segundo Gonçalves, o gerenciamento de rota e o mapeamento dos melhores pontos de parada são essenciais para uma melhor qualidade de viagem. Com isso, o caminhoneiro terá acesso a informações sobre os caminhos mais rápidos, as estradas em melhor estado e, também, sobre promoções e avaliações dos paradouros, restaurantes e banheiros em sua rota. Tudo isso, na tela do celular. Além da qualidade de viagem, o aplicativo preza pela segurança e pela eficiência do trabalho dos caminhoneiros. “Sono e direção não combinam. Por isso, desenvolvemos uma tecnologia para tentar reduzir os danos. Com a câmera do celular do usuário trabalhando em segundo plano, o nosso sistema faz um reconhecimento facial do motorista que identifica quando ele está sonolento e o notifica quando necessário”, explica Gonçalves, sobre o Sensor de Fadiga. Em pesquisa realizada pela Academia Brasileira de Neurologia, concluiu-se que mais de 20% dos caminhoneiros costumam dirigir com sono. Quase 40% conhecem alguém que já se envolveu em acidente por esse motivo. Já o serviço de Contratação de Frete promete ser um dos principais atrativos da plataforma. “Por vezes, os caminhoneiros que realizam transportes longos voltam ‘batendo lata’, ou seja, não realizam nenhum serviço na volta para casa. Na plataforma, haverá um marketplace para conectar contratantes e motoristas, assim, movimentando o mercado de transportes do Brasil. Esse é o nosso norte: fazer o setor crescer ainda mais e ser a solução completa para aqueles que movimentam nosso país”, conclui Gonçalves.

Gestão da frota automotiva melhora eficiência das agroindústrias
Sabemos que a mecânica preventiva de um veículo é mais efetiva que a mecânica corretiva, pois ao antecipar uma troca de peça que daria defeito, pode-se evitar um dano maior, uma vez que este poderia comprometer até mesmo outros componentes. Com as agroindústrias o cuidado com a frota automotiva precisa ser ainda redobrado, afinal uma plantadora parada no início da safra ou um caminhão completamente carregado enguiçado no meio da lavoura, o prejuízo pode ser incalculável.
Para ajudar na gestão deste departamento tão importante das empresas, usinas e indústrias, mas que ainda nos dias de hoje recebe pouca atenção por parte dos gestores, é que a GAtec, empresa de consultoria, treinamento, desenvolvimento e integração de sistemas para o para o agronegócio, oferece o serviço de consultoria no qual seus clientes têm a oportunidade de melhorar os processos. O objetivo principal é auxilia-los a extraírem o máximo do que suas ferramentas oferecem com base na análise de indicadores de desempenho e redução dos custos de reparo e manutenção da frota.
De acordo com o engenheiro químico Carlos César Balbino, consultor especialista em manutenção da GAtec, neste tipo de atendimento é explicado aos gestores os problemas encontrados, dando um parecer técnico sobre a importância de cada item e sugerindo mudanças em procedimentos operacionais que resultam em confiança nos indicadores. Há ainda as melhorias na manutenção da frota contribuindo para a redução de gastos, para alguns casos a curto prazo e para outros a médio. “O benefício imediato é a qualidade nas informações dos indicadores de desempenho e de gastos com manutenção. Com uma informação de boa qualidade a tomada de decisão em relação aos procedimentos de manutenção da frota fica mais confiável e eficiente”, acrescenta.
O processo de consultoria inclui todos os equipamentos automotivos motorizados, implementos agrícolas e rodoviários envolvidos nas operações das agroindústrias. Além disso, contempla também as áreas da manutenção como oficina mecânica, lavador, posto de troca de óleo, caminhões oficina volante, entre outros. Segundo o consultor, este modelo de projeto é recomendado às empresas quando a gestão da manutenção não está conseguindo as respostas confiáveis dos indicadores de desempenho e de custos ou quando detecta uma subutilização das funcionalidades do sistema de gestão de frotas.
Unidades padronizadas – Para que os negócios de uma grande companhia como um todo andem bem, é fundamental que as ações de suas filiais estejam alinhadas com as métricas da matriz. Com este objetivo, um importante grupo da região de Uberaba, no triângulo mineiro, resolveu ampliar a gestão de sua frota. Em 2018, a GAtec realizou treinamentos e prestou consultoria automotiva na unidade mineira.
Como os bons resultados, houve agora um grande interesse deles também no compartilhamento desse conhecimento nas demais unidades da companhia. “Em um grupo com várias unidades produtoras há o interesse da liderança em padronizar e nivelar os resultados permitindo comparações do desempenho da frota e dos custos de reparo e manutenção”, destaca Balbino.
Durante este levantamento dos dados específicos deste cliente, os consultores fizeram o entendimento de alguns pontos conflituosos. Após isso, realizaram um alinhamento de estratégia selecionando alguns indicadores. O levantamento mostrou como estava a usabilidade do sistema em relação ao que a GAtec recomendou durante a implantação e as boas práticas de manutenção da frota. Após reconhecer que os resultados poderiam ser melhorados, o cliente passou a utilizar os indicadores como referência para algumas áreas.
As metas apresentadas pela consultoria foram baseadas na experiência dos profissionais e nos resultados do setor de maneira geral. “O cliente, após analisar os resultados, propõe uma adequação a sua realidade. A cada ano as metas são analisadas e se necessário passam por ajustes”, reforça o engenheiro químico.
Ainda segundo o consultor é importante reforçar que durante esse processo de consultoria a equipe de gerência do cliente pode e deve acompanhar os indicadores que são disponibilizados em relatórios. “A diretoria da empresa acompanha os resultados em relação às metas e exige justificativas quando recebe uma nota baixa, isso também gera uma espécie de competição entre os respectivos responsáveis das unidades produtoras e também gera justificativas de investimentos em melhoria de equipamentos, de processos e treinamento das equipes de manutenção”, finaliza o especialista.

ESALQ-LOG apresenta sexto volume da série “Logística do Agronegócio”
“O Perfil das Ferrovias do Agronegócio Brasileiro”, sexto volume da série “Logística do Agronegócio”, produzida pelo Grupo ESALQ-LOG, já está disponível para download (https://esalqlog.esalq.usp.br/volume-6-setembro-2021-o-perfil-das-ferrovias-do-agronegocio-brasileiro). A nova edição, lançada em setembro último, traz uma análise das ferrovias brasileiras e do cenário que a modalidade se insere, abordando as movimentações de cargas, preço do frete ferroviário, assuntos regulatórios e indicadores econômico- financeiros.
Produzido pelos coordenadores do Grupo ESALQ-LOG, José Vicente Caixeta Filho e Thiago Guilherme Péra, o estudo tem como objetivo “traçar o perfil das empresas ferroviárias que atuam no segmento do agronegócio brasileiro, envolvendo, especificamente indicadores operacionais, econômicos e financeiros, bem como discutir o mercado de fretes ferroviários”.
A série “Logística do Agronegócio”, criada em 2017 pelos coordenadores, busca apresentar, discutir e propor soluções para grandes problemas nas diferentes temáticas que afetam a gestão da logística no agronegócio brasileiro. Os primeiros volumes da série também estão disponíveis no site do ESALQ-LOG https://esalqlog.esalq.usp.br/categoria/serie-logistica-do-agronegocio.

webinar
webinar
alperseguros
fronius
Retrak
savoy
postal