Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Conteúdo 20 de fevereiro de 2008

A segurança da Petrobrás

A confirmação, no último dia 14 de fevereiro, pela própria Petrobras, do furto dos dados sigilosos sobre pesquisas sísmicas, que podem incluir a descoberta de petróleo e gás no campo de Tupi, na bacia de Santos, deixa várias questões no ar. Não é nosso objetivo fazer a investigação, tarefa da Polícia Federal, mas o fato gera indagações acerca da questão da segurança. Afinal, a Petrobrás, símbolo do orgulho nacional, não poderia ser tão fragilmente lesada ou, melhor, ter suas informações à mercê de pessoas mal intencionadas.

Os dados estavam dentro de dois computadores portáteis, e mais um disco rígido, que foram transportados pela empresa norte-americana Halliburton.

O contêiner com o material estava em um navio que partiu do porto de Santos, em São Paulo, no dia 18 de janeiro, em direção a Macaé, no Rio de Janeiro, onde a empresa tem sua base de operações na Bacia de Campos.

A carga chegou 12 dias depois, quando seguranças perceberam que o cadeado do contêiner tinha sido violado. Além de avisar à polícia, a Petrobras informou ter realizado investigações internas.

A Polícia Federal trabalha com duas hipóteses: furto simples ou espionagem internacional. Independente de qual seja a conclusão, o alvo despertava um grande interesse, pois o campo de Tupi tem uma reserva estimada entre 5 a 8 bilhões de barris de petróleo (segundo a Petrobras), e é considerado uma das maiores descobertas de petróleo do mundo. Devido ao tamanho de suas possíveis reservas, o campo mexe com o mercado. Informações privilegiadas de certo podem favorecer empresas interessadas na exploração do local.

De todo modo, a Petrobras é uma empresa que tem uma política de segurança, procedimentos e regras rígidas. Como informações tão valiosas são transportadas dentro de computadores e a área responsável pela segurança não toma providências para evitar furtos?

A menos que o setor não tenha sido devidamente ouvido, ou que a política e procedimentos tenham sido ignorados.

Se a polícia suspeita de roubo simples, por que para evitar o furto não foi utilizado um cadeado especial, reforçado, com características anti-arrombamento e mais um procedimento de segurança no qual uma terceira pessoa seria a responsável por checar seu fechamento?

Além disso, o que leva um contêiner que transporta itens tão importantes a não ter um sistema de alarme, no mínimo, no local em que o fato ocorreu, pois se foi um arrombamento, a sirene poderia ser disparada, acionando a segurança. E, para maior proteção, num mundo em que sobra tecnologia, o contêiner não deveria ser rastreado e controlado nas 24 horas?

Além disso, os notebooks não deveriam estar protegidos em caixas lacradas? Pois parece que estavam expostos ou com o acesso facilitado. Afinal, por que furtaram apenas esses itens? Se as informações são tão valiosas, não deveria haver um segurança escoltando o contêiner?

Esperamos que as informações estejam criptografadas e que apenas usuários autorizados por biometria possam acessá-las, reduzindo os riscos de espionagem industrial.

Fica claro que deveria ter sido feita uma análise de riscos também em todos os processos de logística para avaliar o impacto dos prejuízos no negócio, caso ocorresse o furto dos equipamentos ou somente das informações tão valiosas, para traçar medidas preventivas e mais eficazes. É bem possível que um gestor da área de segurança da Petrobras tenha feito isso, o que dá margem para pensar que o fato ocorrido não foi um roubo tão simples assim.


David Fernandes da Silva é diretor da Previne Security, empresa especializada em segurança e sistemas integrados.

 

Fonte: www.dcomercio.com.br

webinar
webinar
Retrak
savoy
postal