Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Cargas Especiais 13 de junho de 2017

Como funciona o aquecimento de carga para bombear substâncias liquefeitas

Aplicado na área de confeitaria e na maioria dos ácidos graxos utilizados na indústria alimentícia de modo geral, o aquecimento de carga é um serviço que consiste no derretimento do produto no interior de contêineres até que esteja liquefeito e em condições de ser bombeado.
Bayard F. Umbuzeiro Neto, vice-presidente e CEO da Transbrasa (Fone: 13 3257.1011), explica que a carga a granel é transportada em contêineres especiais do tipo isotank ou em embalagens especiais tipo flexybags, que são utilizadas em conjunto com contêineres ISO marítimos drybox standard. A carga em estado líquido é bombeada – normalmente por uma bomba de deslocamento positivo ou de acordo com a densidade de cada produto – para o interior do isotank ou do flexybag. “Passado algum tempo em temperatura ambiente a bordo de navios ao redor do mundo, estas substâncias se solidificam e/ou cristalizam e, para serem descarregadas, requerem aquecimento para retornar ao estado líquido e permitir o bombeamento para fora das embalagens”, conta.
O contêiner isotank possui uma espécie de serpentina circundando toda sua extensão e por onde é injetado vapor ou água quente para produzir a troca de calor com a carga no seu interior. Já o contêiner drybox é usado quando se utiliza a embalagem especial flexybag para transportar este tipo de carga. “No entanto, é necessário um equipamento adicional que chamamos de heater pad (colchão de aquecimento), colocado por baixo do flexybag antes de ser inserida a carga, pois é por ali que se injeta vapor ou água quente. Porém, a área de contato da carga com este colchão é menor e, portanto, o calor gasto para o processo completo é bem maior”, detalha Bayard Neto.
A indústria de confeitaria é a maior usuária desse serviço. “Produtos como licor de cacau, manteiga de cacau e seus substitutos, além de gorduras vegetais hidrogenadas de diversas origens utilizadas no processo fabril da indústria alimentícia, podem ser importados a granel, necessitando deste tipo de operação”, observa.
Um dos maiores desafios do serviço, de acordo com o profissional, é estabelecer um padrão de análise de cada tipo de ácido graxo para definir o tempo necessário de aquecimento a determinadas temperaturas, mantendo a qualidade do produto, sem provocar sua queima. Todo esse processo demanda, inclusive, o monitoramento de temperatura, pressão e outros dados da carga/contêiner no mínimo quatro vezes ao dia.
“O estabelecimento de um parque de equipamentos para produzir vapor e água quente, dimensionados para atender nossas necessidades e de nossos clientes, também foi outro desafio devido ao pioneirismo, no Brasil, deste tipo de operação com contêineres isotanks e flexybags”, expõe Bayard Neto.
A Transbrasa tem capacidade total instalada para atender de 30 a 40 contêineres por mês. A ideia de investir nesse mercado promissor surgiu quando uma das empresas coligadas passou a representar no Brasil uma das maiores fabricantes de flexybags do mundo, atuando com importação de diversos produtos líquidos a granel em contêineres drybox com fleitanks, posteriormente, evoluindo para contêineres isotanks. “Nesse período, em 2008, enxergamos a necessidade do mercado e investimos”, ressalta.

Outra forma
Bayard Neto conta que há outra forma de movimentar esse tipo de substância: as cargas são transportadas em caixas menores, de aproximadamente 20 quilos cada. Dentro de cada uma é colocado um saco plástico reforçado, onde é inserido o ácido graxo líquido morno. Por sua vez, essas caixas são colocadas em contêineres drybox.
“Para aquecimento dos ácidos graxos, as caixas são retiradas manualmente e abertas uma por uma. A carga sólida é retirada do saco plástico e colocada em máquinas derretedeiras. No entanto, esse processo tem alto custo de mão de obra, além de consumir mais tempo”, finaliza.

postal
JLL
JLL
JLL
JLL
postal
Sds
Retrak
Sds
4K
Savoy
JLL