Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube
Mudança 29 de julho de 2020

Diante da pandemia, inovação é acelerada nos supermercados

A chegada da Covid-19 no Brasil impactou planos, metas e previsões de todos os setores da economia — principalmente o de varejo, que viu suas vendas caírem 1,2% em março, em comparação com o mesmo período do ano passado. Para as empresas de comércio de alimentos e outros itens essenciais, por exemplo, coube o desafio de adaptação a um pico de superabastecimento por parte do consumidor e dificuldades logísticas, além dos protocolos de segurança restritivos nas lojas. Enquanto as empresas varejistas ainda discutiam como trazer a tecnologia de forma mais efetiva para os estabelecimentos, o distanciamento social e a restrição de circulação de pessoas mostrou que essa deve ser uma questão prioritária no mercado.

Com o aumento nas vendas desde o início da pandemia da Covid-19, os supermercados, além das medidas de precaução nas lojas físicas, precisaram se adaptar ao crescimento do comércio online.

Na rede de supermercados Hippo, de Florianópolis, SC, a tecnologia se tornou uma aliada fundamental para conseguir dar conta de atender o aumento da demanda. Por meio de uma parceria com a startup Equilibrium, realizada por meio do programa de inovação aberta da Associação Catarinense de Tecnologia – ACATE, o LinkLab, o Hippo conseguiu triplicar suas entregas diárias.

Com uma plataforma de digital de Supply Chain — na qual é possível conectar empresas que têm necessidade de transporte de cargas com diferentes perfis de transportadoras, além de gerenciar todas as atividades do fluxo logístico, da separação do pedido até a entrega para o cliente final —, a rede viu seu número de entregas passar de 46 em março para 150 no mês seguinte.

Da mesma forma que houve um aumento do e-commerce, os supermercados precisaram lidar com o superabastecimento. Mais consumidores querendo estocar produtos fez com que alguns itens faltassem nas prateleiras e os preços subissem.

Uma das soluções para os empresários do setor foi negociar com fornecedores em conjunto. Em grupos associativos, os lojistas acabam tendo maior poder de barganha, comprando mais por um preço menor. Isso foi o que constatou Jonatan da Costa, CEO da Área Central. A empresa desenvolve um software que centraliza e integra o gerenciamento de entidades de base associativa, desde lojistas, fornecedores até gestores e presidentes das redes e centrais. “A tecnologia é um caminho sem volta, e na gestão das centrais de negócios se tornou ainda mais essencial, permitindo automatizar processos e centralizar todos dados para tomadas de decisões assertivas em uma época em que todo e qualquer custo negociado tem um impacto ainda maior para empresas e para a própria população”, comenta Jonatan.

Outra preocupação do setor foi, e continua sendo, a saúde das pessoas. Sendo assim os meios de pagamento precisaram se reinventar para atender o setor essencial. Tecnologias touchless, aquelas que não exigem contato humano ou quando ele é muito pequeno, viraram destaque.

Prova disso é a startup Payface, que passa a implantar o pagamento por reconhecimento facial no Angeloni, uma das maiores redes supermercadistas do sul do país. Focada em supermercados e farmácias, a tecnologia conecta o rosto do usuário com o meio de pagamento associado, sem necessidade de mostrar o cartão. Além disso, a ferramenta oferece vantagens aos varejistas que vão além da otimização do tempo de atendimento nos caixas — a possibilidade de os estabelecimentos integrarem a tecnologia com seus programas de fidelidade e sistemas de relacionamento com o cliente, colaborando para tomada de decisão.

Newsletter
Cadastre-se aqui

Top do Transporte
Top do Transporte
Fronius Patrocinador
Nimbi Patrocinador
Top do Transporte
Top do Transporte
SDO Equipamentos
Toyota
Retrak
Savoy
JLL
JLL