Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Capa 9 de setembro de 2021

O presente e o futuro da logística: lições da pandemia e seu impacto profundo em todo o setor

A crise de saúde desestruturou todos os modelos existentes, causando uma corrida por entregas cada vez mais rápidas geradas pelo crescimento do e-commerce, aumentando a conscientização sobre a importância da logística.

 

Como está a logística hoje? O que mudou com a pandemia? Quais as apostas que deram errado? Qual o futuro do setor? Para responder essas e outras perguntas, convidamos professores, consultores e outros profissionais com vasta experiência no setor. Alguns deles também são colunistas do Portal Logweb e compartilham seu conhecimento mensalmente no site, não deixe de conferir!

Comecemos com a questão: o que a pandemia trouxe de novas ações ao setor? “Impactado pelo desbalanceamento das cadeias de consumo, seja por redução de demandas, seja por gargalos em portos da Ásia, o cenário da logística pós-pandemia no mundo está mais acirrado do que nunca”, analisa Palmério Gusmão, palestrante, consultor, professor da Faculdade Educamais e colunista do Portal Logweb.

Segundo ele, tais gargalos comprometem a fabricação e o reabastecimento de linhas de produtos nos países destinos, principalmente aqueles dependentes de tecnologia. “É um efeito dominó, precisamos que os modais estejam plenos e funcionais para inserir mercadorias num circuito. Se houver concentração em algum ponto, todo o circuito estará comprometido ou terá que ser reformulado”, observa.

Por exemplo, se um navio não descarrega no destino, não poderá retornar à origem, ocasionando gargalos. O mesmo acontece com as embalagens retornáveis, sobretudo as de quinto nível (contêineres), que compõem o maior volume.

“Temos reflexos no Brasil na indústria automotiva, que vendeu mais e tem fila de espera para entregar, ainda que com preços exorbitantes. Componentes ou produtos eletrônicos certamente irão comprometer também as vendas de final de ano”, analisa o professor.

No Brasil, ele diz parecer que a crise tem impulsionado grandes oportunidades de negócios no e-commerce, tornando-o um grande aliado para as companhias vendedoras não falirem, e também oferecendo como atrativo a possibilidade de ser cliente de transportadoras e Operadores Logísticos. “E-commerce é demanda garantida! O maior volume e o valor agregado têm proporcionado diferentes negócios logísticos”, expõe Palmério.

Ele acrescenta que as startups de transportes e entregas também cresceram muito após a pandemia e vieram para ficar. Já são aceitas por clientes entregas com uso de carros de passeios em substituição às vans, minivans e pick ups. “Imaginem! Há décadas tínhamos aversão ao uso de porta-malas de veículos para esta finalidade. Pensem! O quanto perdemos de espaço precioso, considerando que os veículos sedans brasileiros possuem em média porta-malas com capacidade em torno de 543 litros”, conta.

O engenheiro Antonio Wrobleski, presidente do Conselho de Administração da Pathfind e também colunista do Portal Logweb, diz que a logística hoje reflete a pandemia. “Com todas as atitudes desenfreadas e urgentes que foram tomadas, sem quase nenhuma digitalização e com processos em baixa, as empresas foram obrigadas a improvisar. Mudaram os processos, o planejamento e o modus operandis com as pessoas”, comenta.

A pandemia trouxe uma nova oportunidade de negócio para pequenos e médios empresários. Muitas empresas foram obrigadas a fechar as portas por questão de redução de volume ou pela própria pandemia, fazendo com que passassem a participar do Market Place de grandes magazines.

“Esse modelo é fácil de acessar e a aderência é muito simples. O que é ideal, já que muitas empresas não conseguem digitalizar, porque simplesmente não têm razão financeira ou dinheiro para poder fazer isso. Para mim, a grande mudança foi isso, sair um pouco do balcão passivo e ir para uma posição mais ativa. É um poder de sobrevivência”, reflete Wrobleski.

Segundo Paulo Roberto Bertaglia, professor, consultor, palestrante, diretor executivo da Berthas, além de colunista do Portal Logweb, a pandemia remodelou a logística em alguns aspectos, principalmente na última milha, devido ao distanciamento e fechamento dos comércios, proporcionando uma escalada e intensificação das entregas causadas pela corrida às compras online.

“As empresas adotaram várias mudanças estratégicas que trouxeram reflexos positivos. A logística ganhou de longe em popularidade e conscientização de sua importância, tanto do ponto de vista organizacional como do indivíduo.”

Bertaglia diz que a pandemia acelerou as estratégias das empresas, tanto no B2C como no B2B, e forçou a rápida adequação dos negócios. Inovação, redesenho de processos e investimentos foram revisitados.  A tecnologia surgiu muito forte como elemento viabilizador de uma série de iniciativas. “Expressões como entregas mais ágeis, visibilidade, transparência e tempo real passaram a ser mencionadas e adotadas mais frequentemente. Já existiam previamente à pandemia, mas ganharam corpo e muitos adeptos. Aquelas organizações que se apoiavam em conceitos de lojas omnipresentes, virtuais e físicas, ocupando espaços importantes, se sentiram revigoradas em suas estratégias”, explica.

Independentemente das terminologias usadas no contexto logístico, a experiência do cliente passou a ter ações importantes em todo sentido, continua o consultor. “As organizações, em função da forte competitividade, passaram a mirar outros públicos, por exemplo, aqueles com moradias subnormais – favelas –, que impactam nas operações logísticas por falta de informações e segurança”, expõe.

O engenheiro e professor Edson Carillo, CEO na Connexxion Consulting e colunista do Portal Logweb, com 30 anos de experiência, observa uma mudança no perfil das operações, em especial nos pedidos, obviamente nas atividades associadas ao consumidor, isto é, nas atividades primárias e secundárias viu pouca ou nenhuma alteração.

“Veja que o novo perfil dos pedidos é de menos linhas, menor quantidade de peças por linha e, consequentemente, mais complexidade de atendimento”, explica.

Com 45 anos de dedicação à logística, José Geraldo Vantine, presidente da Vantine Logistics & Supply Chain Consulting, diz que “a evolução natural é decorrente do desenvolvimento tecnológico, do comércio global e, mais recente, de crises políticas e econômicas. Claro, logística empresarial é parte da gestão da cadeia de abastecimento responsável pelo planejamento, operação e controle dos fluxos de informações e produtos envolvidos desde os fornecedores a montante até os clientes a jusante, para atender todas as necessidades ao um custo competitivo. Portanto, a pandemia desestruturou todos os modelos antes existentes”.

Já em condições normais, continua Vantine, a gestão dos fluxos da cadeia logística sempre exigiu desempenho de alta performance. Com a pandemia, setores como varejo e transportes para e-commerce alteraram todos os planos para 2020/2021. “Destaque para o impacto de recuperação lenta para o transporte marítimo internacional, sendo estimado que, por conta da Covid-19, faltam mais de 20 mil profissionais da marinha mercante, além do fechamento de portos da China, causando verdadeiro desequilíbrio na equação do tempo e preço maiores para a logística internacional.”

O professor especialista em logística Victor Adriano Tavares, proprietário da Vs2l Transportes e colunista do Portal Logweb, analisa que a logística conseguiu se estabelecer como uma atividade essencial na vida de todo cidadão, isto é, tudo aquilo que era de conhecimento exclusivo dos profissionais da área passou a ter o seu reconhecimento por toda a sociedade.

“Acredito ainda que precisamos remar muito para atingir um patamar de excelência. A pandemia vem demonstrando que para chegar aí, precisamos que as organizações estejam antenadas nas novas tecnologias e demandas do setor. Os profissionais precisam entender que a qualificação é essencial para a permanência no setor, que está em franco crescimento”, expõe Tavares.

Já o professor, consultor empresarial e palestrante Paulo Guedes, membro do Conselho Consultivo da ABOL – Associação Brasileira de Operadores Logísticos e colunista do Portal Logweb, diz que com o surgimento da pandemia e a queda na produção em todo o mundo, foi natural que quase a totalidade das empresas tivesse como única preocupação, inicialmente, a sua própria sobrevivência.

“Rígido controle de caixa e de custos, proteção dos empregados, ampliação de portfólio, melhoria de atendimento e utilização da tecnologia disponível para aumento da produtividade foram providências padrão em quase todas as empresas”, enumera.

Mas, para ele, é essencial, agora, planejar o futuro e repensar os negócios. E se temas voltados à governança corporativa, resiliência, inovação, sustentabilidade, meio ambiente e prevenção de riscos já faziam parte das agendas de todos, assim como as discussões a respeito das consequências – positivas e negativas – que o avanço tecnológico gerava, agora durante e pós-pandemia, tudo ficou mais complicado e essas discussões passaram a ter prioridade máxima.

“Observar o mercado com maior frequência e profundidade, acompanhar a velocidade das mudanças para realizar projeções mais confiáveis, ter instrumentos de avaliação de desempenho que levem em conta cenários cada vez mais dinâmicos e movimentar-se com rapidez, para adotar medidas urgentes e que se adaptem ao novo, transformaram-se em atividades profissionais imprescindíveis”, destaca Guedes.

 

E se não fosse a pandemia?

Bertaglia, da Berthas, cita um ditado oriental que diz que toda crise gera oportunidades. Ou mesmo, enquanto uns choram, outros vendem lenços. “Devido à pandemia, as empresas aceleraram e buscaram novas soluções. Isso não é trivial. A situação é complexa. Uma série de soluções e mecanismos adotados para mover produtos e não deixar faltar alimentos e remédios, seguramente, não existiriam”, avalia.

Com a pandemia, a tecnologia e as soluções digitais foram revisitadas com frequência e, sem ela, certos ciclos de negócios não teriam sido encurtados. Sabidamente, alguns segmentos sofreram reveses. As companhias com cadeia conectada tiveram vantagens. Por outro lado, a logística não teria adquirido tamanha importância por parte de empresas e consumidores caso não houvesse este senso de urgência e agilidade para atender a uma demanda de entrega antes não existente.

“A necessidade é a mãe das invenções. Eu acredito que temos algumas lições importantes que advêm dos modelos de negócios e que afetam a logística, como por exemplo: a diversificação de mercados e clientes, buscar uma cadeia mais flexível e capaz de reagir rapidamente às mudanças, avaliar fontes alternativas de obtenção de produtos e insumos, considerar a multicanalidade e entender que a cultura digital deve fazer parte do coração da empresa”, expõe Bertaglia.

De acordo com o consultor, estes elementos não seriam priorizados se não houvesse necessidade de buscar alternativas para competir. “O aspecto negativo influenciado pela forte demanda também se fez presente. A escassez de contêineres e de navios, por exemplo, colocou o valor dos fretes nas nuvens. A dúvida que fica é: tais fretes voltarão às situações anteriores à pandemia?”, questiona.

Se não fosse a pandemia, a logística ainda seria pensada em formatos de 10 anos atrás, sem digitalização e sem o senso de urgência, que é muito fundamental para o futuro. Essa é a opinião de Wrobleski, da Pathfind.

Ele não acredita na retomada ao normal, no entanto, vê um futuro cada vez mais associado à Machine Learning e Internet das Coisas. “A maioria da frota brasileira tem mais de 18 anos. A maior mudança é que antigamente se embarcava a tecnologia no caminhão, agora, entra com a tecnologia dentro do caminhão, através de um app no celular. Essa é uma grande mudança que vai se reafirmar cada vez mais”, salienta.

O consultor Vantine analisa que ao final de 2019, antes da pandemia, a logística empresarial estava em estágio compatível para as grandes empresas, com tecnologias adequadas e balanço de estoques com equilíbrio financeiro. O transporte rodoviário tinha bom nível de atualização de frotas e as tecnologias de bordo respondiam bem.

“O susto dos primeiros meses de 2020 destruiu essa sequência natural e, certamente, hoje, a logística estaria com seus processos em regime normal. Mas não está assim, porque o e-commerce passou a ser protagonista, com avanço descontrolado das vendas, gerando correria para entrega e a ampliação gigantesca de sellers com mais de 2 milhões de produtos à venda”, observa.

Segundo ele, nenhuma das quatro maiores do e-commerce estava, e ainda não está, preparada para praticar uma “logística digital”. “A ganancia comercial adotada pelos players não priorizou os modelos operacionais, mas continuam como plataforma fintech e, nesse caso, se não fosse a pandemia, essas empresas estariam em patamar mais competitivo da logística, que não é só a entrega de pacotinhos”, ressalta Vantine.

Por sua vez, Carillo, da Connexxion, acredita que não seria muito diferente. “A pandemia não mudou a trajetória da logística ou a linha de tendência, mas, sim, acelerou o processo de transição.”

 

Quais apostas deram errado?

Para Wrobleski, da Pathfind, faltaram planejamento e um olhar para aquilo que já era realidade nos países do primeiro mundo, Estados Unidos e Europa. A pandemia teve três fases dentro da logística. A primeira como uma descoberta, quando as pessoas e as empresas passaram a acessar mais o meio digital. A segunda marcou o excesso de telas, mostrando a necessidade de estipular limites nesse sentido. E, por fim, a terceira fase surgiu logo em seguida da Black Friday, deixando claras as múltiplas utilidades do ambiente online.

“Momentaneamente, algumas empresas souberam aproveitar isso, mas todo mundo é consciente que o físico, o touching, o olhar e o chegar junto são importantes”, frisa.

Segundo Wrobleski, as empresas logísticas precisam rever também seus impactos, repensar seus modelos de atuação, optar por meios viáveis aos envolvidos e escolher formas mais acessíveis e sustentáveis. “Quando você roteiriza, busca as melhores formas. Evita passar por determinados lugares que não precisa e faz economia em consumo. A logística verde ou logística ambiental deve fazer parte da expansão do setor para o próximo ano, a partir de medidas e políticas sustentáveis que visam reduzir o impacto ambiental causado pelas atividades do setor”, diz.

Palmério, da Faculdade Educamais, também fala da falta de planejamento e de engajamento nas ações que foram pontuadas. “Um grande aprendizado se o pior estiver por vir.”

Bertaglia, da Berthas, por sua vez, conta que alguns fatores importantes afetaram a logística sobremaneira. A ruptura nos transportes internacionais em função de um comércio extremamente globalizado pode ser uma questão a ser reavaliada pelas empresas.

O aumento significativo das compras online também levou ao crescimento das reclamações de entrega. “Não significa que a intensificação do comércio eletrônico seja equivocada. De forma alguma. Porém, uma olhada de forma diferente nos processos, recursos, competências e habilidades é essencial. Mas a logística continua ganhando a guerra em todos os sentidos.”

Disparado, a mais equivocada foi a aposta em focar grande parte do abastecimento na China, segundo Vantine. A logística da Ásia sempre foi complexa, usando o transporte marítimo via sul da África e Canal do Panamá. Mais de 40 dias que passaram para mais de 50, com preço de US$ 2 mil/TEU para quase US$ 10 mil/TEU.

No ambiente interno, ele considera que a aposta errada foi a inércia da maioria das indústrias na busca de soluções alternativas na gestão da logística, focando mais em tecnologia das logtechs do que nos processos operacionais em busca da produtividade no abastecimento e na distribuição.

Tavares, da Vs2l Transportes, acredita que o maior erro cometido pela logística está na dificuldade de reconhecer os custos envolvidos nas operações e, principalmente, na pouca importância que muitos profissionais dão a esse assunto.

Para Carillo, da Connexxion, não houve apostas erradas. “Ainda não teve tempo suficiente para saber se houve erro.”

 

Qual o futuro da logística?

O futuro é digital e passa por um repensar nos processos. Não há como pensar em um futuro cada vez mais avançado sem a logística 4.0. O Big Data, sistema de armazenamento de quantidades massivas de dados processados em alta velocidade, já é uma dessas realidades na área, de acordo com Wrobleski.

“Mais do que vender, agora o desafio do comércio eletrônico é entregar nas condições combinadas com custos viáveis. E as melhores empresas também já perceberam que a logística será um diferencial competitivo para alavancar ainda mais o negócio.

De acordo com ele, estamos vivendo o início desse processo no Brasil. Essa total integração entre a ponta de saída, intermédio e geração, quanto mais dentro de uma torre de controle, mais vai buscar eficiência e eficácia. Ou seja, redução de tempo, custos e lucratividade.

“Creio que nos próximos três anos haverá investimentos maiores nesse ramo, com trabalhos ligados aos desembargados, Operadores Logísticos e startups, pois eles estão fazendo um trabalho rápido, com utilização muito forte”, expõe.

Para o entrevistado, agregar inteligência ao processo é o melhor no momento. É um investimento relativamente baixo e que oferece resultados significativos em pouco tempo. “É importante lembrar que a pandemia apenas adiantou a transformação digital pela qual já estávamos passando. O futuro é do comércio eletrônico e das empresas que estiverem preparadas para ele.”

Wrobleski explica que as informações adquiridas em toda cadeia logística, desde a realização do pedido por parte do consumidor até a entrega em si, são armazenadas de forma otimizada pelos sistemas de automação. “Esses registros passam a ser considerados elementos estratégicos, a fim de trazer respostas relevantes e contribuir com a tomada de decisão da empresa.”

A pandemia demonstrou claramente o quão frágeis nós somos, observa Bertaglia. “Acontecimentos e crises que nos trazem incertezas e uma certa ansiedade do que vem a seguir podem ser fatores disruptivos constantes com os quais tenhamos que conviver daqui para a frente. Contudo, mesmo dentro deste panorama, o ser humano possui uma fantástica habilidade de se reinventar, criar e inovar. E estes fatores são elementos fantásticos no mundo dos negócios.”

Novos padrões de consumo e modelos de negócios surgem e a conscientização toma corpo. “A sustentabilidade leva a logística a ser mais eficaz nas emissões de carbono. Para isso, alternativas energéticas são estudadas e meios de transporte e mobilidade são repensados.”

Por outro lado, a tendência para entregas no mesmo dia exige mais agilidade – continua Bertaglia. Alternativas de armazenagem como dark stores e pequenos Centros de Distribuição, assim como os lockers passam a figurar nas estratégias de movimentação e armazenagem.

Retirar nas lojas ou nos estacionamentos de shoppings são opções para clientes e consumidores. As startups estão redefinindo muitas formas de fazer negócios. A inovação aberta vem com força em busca de soluções para as dores das organizações.

Aplicação dos conceitos de visibilidade da cadeia, transparência e rastreabilidade de informações e produtos requerem eficiência, o que exige maior colaboração ao longo da cadeia de valor. Em tempo real. “Os Operadores Logísticos precisam estar mais bem preparados para suportar tais demandas. Muito ainda é conceitual e privilégio de algumas grandes organizações. É questão de tempo para que quem queira sobreviver saia do discurso para a prática. Novas habilidades e competências serão seguramente requeridas em toda a empresa e na logística”, declara.

Carillo, da Connexxion, ainda acredita na digitalização, em processos paperless impulsionando a logística e especialmente o atendimento aos clientes. “Sem deixar de comentar sobre as questões ambientais, isto é, realizar logística, em especial o transporte, cada vez mais limpo, ou seja, ambientalmente sustentável”, reforça.

Palmério, da Faculdade Educamais, também diz que o futuro da logística é aprimorar os processos existentes com pano de fundo tecnológico, valorizar o capital humano sem ignorar os impactos das novas demandas, novos processos e novos produtos.

“Precisamos nos conscientizar o quanto os processos impactam diretamente na sociedade e no planeta: obsolescência planejada, reinserção de inservíveis e logística reversa – de verdade, não aquela que colocamos nos papéis para ganharmos certificados do que de fato não praticamos”, expõe.

Grandes empresas farão fusões e cada vez mais aquisições, e novos entrantes surgirão, talvez com a experiência adquirida nos grandes grupos, ou não, talvez alguém que enxergue o que não enxergamos ainda – continua o professor. “Ninguém é absoluto nesse negócio.”

Quanto às tendências, Palmério acredita que a nova geração logística, formada por gente cada vez mais jovem, está engajada em desafios que permitem concretizar ideias que no passado eram tidas como inconcebíveis, transformando-as em soluções tecnicamente viáveis.

“Eles estão chegando com vontade e implantando soluções que melhoram o convívio e a harmonia coletiva. Aliás, gente nova, gente muito jovem e capaz, tem se revelado nesse universo, principalmente propondo soluções com viés tecnológico. As companhias que não quiserem absorver esse contingente, agora correm para concorrer com eles!”, observa.

Vantine, por sua vez, questiona: o futuro da logística ou a logística do futuro? “Logística sempre esteve suportada em fatos previsíveis, mas ultimamente as empresas globais passaram a incluir nas análises de riscos ‘eventos imprevistos’ cada vez mais frequentes em decorrência da disputa comercial globalizada.”

Eventos “improváveis” nunca foram considerados no ambiente empresarial. Para fundamentar sua opinião, o consultor recorre ao livro “A Lógica do Cisne Negro”, de Nassim Taleb, que mostra que o impossível se aproxima do improvável e acaba se tornando um imprevisto.

Assim, falar do futuro nos leva a avaliar o gigantesco impacto inesperado que foi a pandemia surgida “do nada”, depois o encalhe do supernavio conteneiro no Canal de Suez e a paralização de portos chineses em decorrência da Covid-19.

“Portanto, mesmo analisando o passado da logística, que vivo há 45 anos, não encontro referências para projetar o futuro. Assim, minha proposição é olhar a evolução da logística como ‘futuro flutuante’, ou seja, planejar 5 anos com 60% de certeza e revisão anual diante das variáveis que impactam o mercado. Lembramos que logística é o meio que viabiliza o fim”, expõe.

Já Tavares, da Vs2l, conta que quando participou do Comitê de Logística do Senai-CNI, indicado pela Firjan/Senai, foi feito um levantamento sobre o futuro da logística, mostrando que ela está totalmente ligada à tecnologia. Os pontos fundamentais são: sistemas de gerenciamento de transporte, sistemas de transporte inteligentes, sistemas de gerenciamento de armazéns, sistemas de planejamento de recursos e sistemas de gestão de pátio.

Com relação às tendências, leva em consideração: logística 4.0, segurança da informação, tecnologia blockchain, entregas eficientes na última milha, crescimento do 3PL e do 5PL, integração de drones e smart glasses, adoção de data analytics e big data logistics, segurança logística como a prioridade máxima, logística elástica, implementação de chatbots e robôs colaborativos (cobots), logística compartilhada e economia colaborativa.

 

Quais tecnologias tendem a impulsionar a logística?

  • Plataforma Digital e UX (user experience, ou seja, experiência do usuário);
  • Sistemas de gestão de transportes e de armazéns;
  • Radiofrequência nos estoques;
  • Drones para entregas, geolocalização e inventários;
  • Armários ambulantes, que podem se movimentar transportando encomendas em diversos pontos;
  • Uso da nuvem para armazenamento de dados;
  • Sensores para conectividade e monitorização;
  • Inteligência Artificial e análise preditiva;
  • Reconhecimento de imagem;
  • Dispositivos para visibilidade (acompanhamento real time/online);
  • Internet das Coisas;
  • Ferramentas de colaboração;
  • Veículos autônomos;
  • Frotas elétricas;
  • Tecnologia customizada, tipo “TayN” – Technology as you need”;
  • Sistemas multimodais que incorporam dispositivos móveis pessoais, veículos, infraestrutura e redes de informação para operações do sistema;
  • Soluções pessoais de mobilidade contextual.
webinar
alperseguros
Jamef
Jamef
fronius
Kivnon
Geotab
Retrak
savoy
postal