Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Conteúdo 20 de fevereiro de 2024

Distribuição compartilhada

 

Varejistas sofrem constante pressão para alcançar a excelência operacional e manter a relevância de seus pontos de venda, mantendo custos sob controle. Os custos de transporte são parte fundamental (e crescente) dessa equação. Em paralelo, não podemos desconsiderar as constantes pressões por entregas mais frequentes em função dos altos custos imobiliários, da concorrência e das necessidades dos consumidores.

A distribuição compartilhada pode ser parte fundamental da equação para varejistas que queiram alcançar esses objetivos conflitantes, pois melhora significativamente o tempo de resposta, reduzindo os tempos de transito e de reposição. Apesar de muitos já terem ouvido falar em distribuição compartilhada, a pratica ainda não é comum por estas bandas.

 

Como funciona?

 

O varejo costuma manter poucos Centros de Distribuição, dependendo do porte e abrangência, frequentemente um apenas, e muitos pontos de venda acabam ficando a distancias consideráveis. E, para atender tais mercados, é comum a contratação de algum mix de carga completa, fracionada ou dedicada. Essas opções são caras, lentas ou pouco confiáveis e a distribuição compartilhada seria uma alternativa muito superior, particularmente para longas distancias.

Um Centro de Distribuição compartilhado normalmente pertence a um Operador Logístico e é utilizado para vários varejistas que têm pontos de venda na região atendida, que dificilmente conseguiriam justificar seu próprio Centro de Distribuição no mercado-alvo e passam a ter acesso aos benefícios de escala e profissionalização. Nessas operações são consolidados embarques para múltiplos pontos de venda em veículos cuja utilização é otimizada pelo Operador Logístico, favorecendo maior frequência de entregas a custo razoáveis.

 

 

A figura acima mostra um varejista hipotético operando um único centro de distribuição. Sem distribuição compartilhada, a melhor alternativa é o frete fracionado, mais caro, levando a uma menor frequência de entregas. A distribuição compartilhada propicia entregas mais frequentes a partir do Centro de Distribuição compartilhado. As economias de escala pelo compartilhamento do transporte de última milha e a maior eficiência no abastecimento ao Centro de Distribuição local/regional mais que compensam os custos do Centro de Distribuição adicional, além de favorecer maior frequência de entrega aos pontos de venda, reduzindo capital de giro e a necessidade de espaço para armazenagem no ponto comercial.

Considerando que um Operador Logístico pode atender algumas dezenas de varejistas, há vantagens consideráveis para o trafego urbano, e muito particularmente shopping centers e regiões com alta concentração de varejistas.

A tabela a seguir apresenta uma comparação, um tanto grosseira, das principais características da distribuição compartilhada comparada com carga fracionada.

Carga fracionada Distribuição compartilhada
Custo $ $
Velocidade Vários dias 24 – 48 hs (para estoque no CD)
Precisão do atendimento no horário +-Dia +-1 hora
Padronização de procedimentos de entrega Não Sim
Sequenciamento da carga Não Sim
Estoques próximos dos pontos de venda Não Sim
Preparação de kits Não Sim

 

P.S.: Apesar de o foco deste artigo ser o varejo, a distribuição compartilhada é perfeitamente aplicável a qualquer segmento que busque fortalecer sua presença em áreas geográficas distantes e/ou regiões onde as vendas ainda não geram escala suficiente para pagar um Centro de Distribuição ou buscam uma melhor atenção e serviço aos consumidores, da forma mais econômica possível.

Elcio Grassia Elcio Grassia

Sócio Fundador e CEO da Nazar Systems, plataforma SaaS para digitalização da Cadeia de Abastecimento do Varejo Alimentar.

Vice Presidente da BSCA (Blockchain Supply Chain Association para o leste da América do Sul (Argentina, Brasil, Paraguay e Uruguay).

Sócio Consultor da Integrare Consulting, com foco em Logística e gestão da Cadeia de Abastecimento, tendo desenvolvido projetos para clientes como Ambev, Aqua Capital Partners, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Burguer King, Cacau Show, Carapreta Carnes Nobres, Comfrio, Consórcio Rio Energia,  FEMSA, FGV Projetos, Global Environment Fund, WalMart / Intelligrated, Mendes Junior, Novus, Radhakrishna Foodland, Secretaria de Logística do Estado de São Paulo, The Fifties e Vale, entre outros.

45 anos de experiência em Logística, Supply Chain, Operações, Gerência Geral e Desenvolvimento de Negócios em empresas como Havi Global Solutions, McDonald’s Brasil e América Latina, Martin-Brower Brasil e Nestle Brasil.

“Board Emeritus”, ex-Channel Partner e ex-membro do Global Research Committee da ASCM – Association for Supply Chain Management.

Volvo
BR-101
Mundial Express
Savoy
Globalbat
Retrak
postal