Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Conteúdo 14 de abril de 2021

Marketplace e logística: entenda o valor dessa amizade

Com o advento da pandemia no Brasil, passamos a conhecer de perto uma nova forma de fazer transações comerciais, fenômeno que surgiu na década de 90 com o aparecimento das grandes empresas americanas Amazon e Ebay.

Essa nova modalidade começou a ganhar forma mais robusta em nosso país a partir do século XXI, pois, nos primeiros anos, tivemos também a evolução da internet. Com isso, surgiram as primeiras lojas virtuais, como o Ponto Frio, a Livraria Cultura e a Americanas.com.

Esse fenômeno chama-se marketplace, que, em tradução literal significa a união os termos ingleses market, que significa “mercado”, e place, que é “lugar”. O mercado pode ser tanto em um espaço físico quanto em um espaço virtual.

Evolução cronológica do marketplace no mundo

pesquisa.1

Fonte: ecommercebrasil

Expansão
Dados divulgados pela ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) mostram que o comércio eletrônico começou a obter os melhores resultados a partir do ano de 2006, quando registrou crescimento de 72%.

 

Crescimento do e-commerce no Brasil

 

Anos Volume (B) Crescimento
2003 1.200,00 50%
2004 1.700,00 42%
2005 2.500,00 47%
2006 4.300,00 72%
2007 6.300,00 47%
2008 8.200,00 30%
2009 12.600,00 54%
2010 16.880,00 34%
2011 21.440,00 27%
2012 25.500,00 19%
2013 31.110,00 22%
2014 39.500,00 27%
2015 48.190,00 22%
2016 53.491,00 11%
2017 59.910,00 12%
2016 68.896,00 15%
2019 89.824,00 23%
2020 105.992,00 18%
2021 122.951,00 16%
2022 140.164,00 14%
2023 159.787,00 14%

Fonte: ABComm
Obs.: E importante ressaltar que na época em que a pesquisa foi realizada, os anos de 2019 até 2023 eram projeções.

 

Fazendo um comparativo, segundo as projeções apresentadas pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico e os dados coletados pela Ecommercebrasil no ano de 2019, o marketplace teve um crescimento de 13%, com um faturamento de R$ 17, 6 bilhões comparado aos 12% da média do e-commerce, que representa um faturamento de R$ 26,4 bilhões.

Essa diferença no faturamento vem demonstrando que em relação ao crescimento médio, o marketplace vem ganhando cada dia mais espaço e adeptos. Importante também ressaltar que esses números representam os dados coletados no primeiro semestre.

Já na análise do ano de 2020, quando estávamos no auge da pandemia, o marketplace representou 78% do faturamento do e-commerce.

Nota: De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), somente entre os meses de março a julho, foram abertas 150 mil novas lojas on-line no Brasil.

Perfil dos consumidores
Com a expansão desta nova modalidade de se fazer negócio, as organizações começaram a mapear para entender o perfil dos consumidores que estavam acessando as plataformas para realizar suas compras.

De acordo com a pesquisa realizada pela Compre & Confie, que gerou o relatório Neo Trust, em parceria com o e-commerce, durante o 2º e o 3º semestres de 2020, contabilizou-se um crescimento de 5,7 e 5,8 milhões (respectivamente) de pessoas que realizaram a primeira compra on-line.

Diante desses números espetaculares, a pesquisa demonstrou os seguintes dados:

pesquisa

Fonte: b2wmarketplace

E importante salientar que apesar do público feminino realizar um maior número de transações nos períodos estudados, o público masculino, no que diz respeito ao tíquete médio (R$ 475,00), possui os valores mais altos, em relação ao tíquete médio delas (R$ 360,00)

Participação regional
Levando em consideração a regionalidade dos consumidores que estão usando esta nova forma de transação, o Nordeste foi a região que apresentou o melhor desempenho comparado a 2019, com um crescimento de 60,9%. Logo após vem o Sudeste, com 54,9%, a região Centro-Oeste, com 47,1%, o Sul, com 39,2%, e o Norte do país, com crescimento de 44,1%.

pesquisa.2

Fonte: ABComm e Movimento Compre & Confie

Logística
A expansão do marketplace agregou vários benefícios para aqueles lojistas que não teriam condições de manter uma plataforma online. Porém, não somente os lojistas se beneficiaram com o crescimento deste segmento de mercado. A logística também se beneficiou com a concentração dos vendedores internos, isto é, os marketplace estão se empenhando cada vez mais para desburocratizar os processos e, com isso, facilitar o fluxo logístico, tornando assim os processos mais ágeis e eficientes.

No novo cenário, a logística também precisou se adequar, oferecendo as melhores tecnologias existentes para otimizar as operações e atender todas as demandas, visando o aumento da lucratividade das atividades logísticas, além de poder também oferecer serviços de armazenagem e transporte para os pequenos e médios negócios hospedados nas plataformas.

Conclusão
A integração do marketplace com a logística visa buscar atender as demandas existentes em uma nova realidade de mercado consumidor. As transformações pelas quais o mundo moderno vêm passando demonstram um novo jeito de efetuar compras pela população.

Essa parceria também permite padronizar os serviços oferecidos no que diz respeito à regionalidade e à característica do consumidor, realizando a integração das ferramentas que ajudam na melhoria do controle do estoque disponível, permitindo um melhor atendimento das demandas dos lojistas e dos consumidores que fazem suas transações através da plataforma.

Victor Adriano Tavares Victor Adriano Tavares

Possui graduação em Administração pela Universidade do Grande Rio (2010). É professor Universitário (Administração e Logística), proprietário da Vs2l Transportes e Analista da Educação Profissional – Firjan/SENAI – Departamento Regional do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Logística.

postal
JLL
JLL
JLL
JLL
Sds
JLL
Retrak
savoy
JLL