Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Entrevista 16 de outubro de 2023

Daniel Salcedo, diretor comercial da Brado, fala sobre o uso da ferrovia na logística de bens de consumo

Além de falar sobre os benefícios, as oportunidades, as limitações e os desafios do uso da ferrovia na logística de bens de consumo, nesta entrevista, Daniel Salcedo fala dos principais desafios e das soluções para a integração da ferrovia com outros modais de transporte na logística de bens de consumo, como as empresas estão integrando a ferrovia em suas cadeias de suprimentos para melhorar a eficiência e reduzir os custos logísticos e como o uso da ferrovia na logística de bens de consumo pode contribuir para a redução dos custos operacionais, dos riscos de perdas e danos e das emissões de poluentes, entre outros assuntos.

Salcedo é diretor comercial da Brado Logística, considerada referência nacional em serviços de logística multimodal, combinando o transporte de contêineres por ferrovia em distâncias longas e rodovia nas curtas. A empresa tem estrutura própria composta por 19 locomotivas, mais de 4,9 mil contêineres e 2,9 mil vagões, equipamentos, armazéns e terminais, complementadas por meio de parcerias estratégicas nos principais centros de consumo do país. “Com atuação cada vez mais adaptada às necessidades do mercado de importação, exportação e mercado interno, a empresa preza pela excelência na movimentação de contêineres no Brasil”, diz Salcedo.

Acompanhe a seguir a entrevista.

Quais são os benefícios, as oportunidades, as limitações e os desafios do uso da ferrovia na logística de bens de consumo?

A movimentação de bens de consumo pela ferrovia foi uma estratégia de mercado impulsionada pela Brado nos últimos anos. Até então, as ferrovias costumavam transportar majoritariamente grandes quantidades de um mesmo produto, como grãos, minérios e combustíveis. A Brado identificou nos bens de consumo uma oportunidade de diversificar as operações e trazer novas opções logística para clientes de diferentes ramos de atuação. Em 2017, ano que marcou o início das operações da empresa neste segmento, foram movimentados mais de 500 contêineres de produtos que saem das indústrias localizadas na Região Metropolitana de Campinas, SP, para abastecer o mercado de consumo de Mato Grosso. Atualmente, esse número já cresceu para mais de 12 mil contêineres movimentados ao ano, resultado que comprova que a opção multimodal oferecida trouxe ganhos para o setor.

Uma das vantagens para os clientes desse mercado é a possibilidade do estoque em trânsito. O atacadista ou distribuidor pode comprar uma carga na indústria e ainda não ter o espaço físico para receber esses produtos. Enquanto essa compra se desloca pela ferrovia, o estoque estará no trem, gerando um armazenamento livre de custos para o comércio. Do lado da indústria, funciona como um estoque avançado, fora de sua planta, também sem precisar pagar a mais por isso.

Quais são os principais desafios e as soluções para a integração da ferrovia com outros modais de transporte na logística de bens de consumo?

O maior desafio é fazer uma operação multimodal em um mercado que até então não tinha essa tradição. Nos últimos anos, a Brado vem estruturando um planejamento que envolve uma mudança de cultura no setor. É um trabalho que abrange desde o convencimento do cliente por uma nova opção logística até o desenvolvimento de soluções que contribuam para otimizar o tempo total da operação. Nas décadas passadas, o Brasil adquiriu uma cultura focada no transporte rodoviário, mesmo nas longas distâncias, situações em que outros modais como o ferroviário, hidroviário e cabotagem são mais eficientes.

Olhando para o viés de bens de consumo, o maior desafio é o lead time, ou seja, o tempo do ciclo operacional. O planejamento minucioso de todas as etapas da operação pode transformar um desafio em valor para os clientes, em razão do déficit de armazenagem que existe na indústria e varejo: não adianta o caminhão chegar rápido no atacadão se não há espaço para receber a mercadoria. O lead time maior pode se tornar uma vantagem ao equilibrar a capacidade de armazenagem com a carga que vai chegar, tornando a ferrovia estratégica para o planejamento operacional.

Como as empresas estão integrando a ferrovia em suas cadeias de suprimentos para melhorar a eficiência e reduzir os custos logísticos?

A operação multimodal que combina as distâncias curtas de caminhão e as longas no trem é o melhor atalho para as indústrias chegarem ao transporte ferroviário, possibilitando que um maior número de empresas tenha esse acesso. Além disso, o transporte em contêineres permite que empresas com fluxo menor também usem a ferrovia, já que é possível transportar a partir de um contêiner. Ou seja, a solução multimodal da Brado democratiza o acesso à ferrovia, que gera diversos valores aos clientes, entre eles eficiência, sustentabilidade e competitividade, sobretudo nas rotas mais longas.

Como o uso da ferrovia na logística de bens de consumo pode contribuir para a redução dos custos operacionais, dos riscos de perdas e danos e das emissões de poluentes?

A solução multimodal traz diversas vantagens aos clientes. A segurança das cargas é uma delas. Os produtos em contêiner ficam mais protegidos e há redução de perdas de cargas no transporte, de furtos e roubos e de acidentes. Como consequência, há uma diminuição do custo de seguro das cargas, o que é um fator de competitividade indireto. A eficiência também é ampliada, uma vez que a ferrovia permite o transporte de grandes volumes de carga de uma só vez, otimizando a logística de distribuição.

A operação multimodal com base ferroviária também traz benefícios ao meio ambiente por reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera. A Brado oferece aos clientes uma calculadora de emissões de CO2: o Green Log. Na ferramenta online, é possível calcular as emissões evitadas com a adoção das soluções multimodais da empresa.

Ao optar pelo transporte ferroviário, no último ano os clientes do segmento de bens de consumo deixaram de emitir cerca de 11 mil toneladas de CO2, equivalentes à emissão anual de mais de 2,4 mil veículos. Seriam necessárias 79,4 mil árvores para absorver integralmente esse volume de CO2 que deixou de ser emitido.

Quais são as tendências, inovações e as perspectivas para o desenvolvimento e a expansão da malha ferroviária brasileira para atender à demanda crescente por bens de consumo?

No curto prazo, temos a circulação de trens de contêineres na Ferrovia Norte-Sul, no trecho que conecta Goiás ao Porto de Santos. A nova rota irá alavancar um novo ciclo de desenvolvimento e oportunidades para a região.

Serão captados os mercados de importação de insumos que abastecem as indústrias e o agronegócio do estado goiano, além dos bens de consumo que passam a ser distribuídos para as populações de Goiás, Distrito Federal e sul do Tocantins e, futuramente, chegando às regiões Norte e Nordeste.

Quais são os casos de sucesso de empresas que adotaram a ferrovia como parte de sua estratégia logística e quais resultados alcançaram?

A Brado tem em seu portfólio cerca de 40 clientes que operam cargas de bens de consumo no mercado interno, que variam desde produtos de higiene e limpeza até alimentos, bebidas, materiais de construção e eletrodomésticos, entre outros. Essa operação democratiza o transporte de cargas pela ferrovia e abastece supermercados, atacadões e lojas em geral no interior do País.

O grande case de sucesso dessa operação multimodal é o planejamento da operação no sistema round-trip (viagem completa), com trens totalmente carregados percorrendo grandes distâncias, seja no fluxo de ida ou retorno do trem, além dos caminhões como parceiros operando trajetos curtos para uma operação eficiente de ponta a ponta.

Como dito anteriormente, é uma operação que trouxe uma nova dinâmica para o setor. O melhor exemplo é a logística multimodal que atende os municípios de Mato Grosso e as cidades do interior paulista: a empresa movimenta no fluxo de ida (saindo de MT) as commodities como milho, ração e óleo vegetal. O milho, por exemplo, é recebido e armazenado em silos separados no Terminal de Rondonópolis. Isso assegura a qualidade das quase 600 mil toneladas transportadas por ano, que atendem o consumo no mercado paulista. Na volta para Mato Grosso, os contêineres são carregados com bens de consumo diversos (alimentos, bebidas, materiais de construção, produtos de higiene e limpeza, tintas). O recorde no fluxo em direção ao Centro-Oeste foi em junho de 2022, com taxa de ocupação de 94%.

Vale ressaltar que o transporte dos bens de consumo na viagem de retorno potencializa a sustentabilidade do negócio, ao transportar produtos em uma viagem que aconteceria de qualquer forma. Os benefícios se estendem à população atendida e aos motoristas de caminhão que trabalham nas pontas rodoviárias. Com os caminhões circulando nas pontas, nos trechos mais curtos, a jornada dos caminhoneiros é menos cansativa, reduzindo o número de acidentes. Eles também ganham qualidade de vida, com apoio nos terminais e a possibilidade de voltar para casa em menos tempo – dependendo da distância, no mesmo dia.

Enersys
Savoy
Retrak
postal