Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Matérias Exclusivas Portal Logweb 6 de julho de 2023

Vale do Paraíba: logística com geografia, história e economia

Por JGVantine, especial para a Logweb

Por um lado, a belíssima Serra do Mar e, por outro, a majestosa Serra da Mantiqueira e entre elas o Vale por onde corre de forma preguiçosa o Rio Paraíba do Sul. Por isso então: VALE DO PARAÍBA

A GEOGRAFIA SERRANA

  • A Serra do Mar, com aproximadamente 500 km, vai do Estado do Rio de Janeiro, passa pelos Estados de São Paulo e Paraná até o Estado de Santa Catarina. Sempre junto ao mar, acompanhando o desenho da costa do país, nesses estados;
  • Serra da Mantiqueira, também com cerca de 500 km, iniciando na cidade de Barbacena, MG, e terminando na cidade de Bragança Paulista, SP. A maior parte (60%) está no Estado de Minas Gerais;
  • Ambas configuram a formação do Vale do Paraíba que, nessa análise, vai de Queluz, SP, até Igaratá, SP, continuando no Estado do RJ até Volta Redonda, e nessa região encontramos os seguintes principais Polos:
    • Alta Tecnologia: (ITA, INPE, CEMADEM);
    • Religioso: (Aparecida, Guaratinguetá do Santo Frei Galvão, Canção Nova em Cachoeira Paulista);
    • Turismo: (Taubaté, Monteiro Lobato, Campos do Jordão);
    • Industrial: Cervejeiro de Jacareí, Aeronáutico/Aeroespacial de São José dos Campos,
    • Automobilístico de Taubaté, Jacareí, São José dos Campos e Resende/RJ
    • Alimentos com produção de vinhos e azeites de Santo Antônio do Pinhal e São Bento do Sapucaí.

A GEOGRAFIA – RIO PARAÍBA

  • O Rio Paraíba do Sul nasce do encontro do Rio Piratininga com o Rio Paraibuna na represa neste município (fig.1)
Fig. 1 / Fig.2
  • Após 1.500 km com um trajeto tortuoso (uma das razões por não viabilizar navegação comercial), tem sua foz no norte do Estado do Rio de Janeiro (fig.2);
  • Fato curioso da natureza: Da nascente do Rio Paraíba do Sul, o seu curso segue na direção sudeste e próximo ao município de Guararema, SP, deflete para a direção Nordeste (fig.3), enquanto o Rio Paraitinga nasce na cidade de Areias, SP, divisa com Rio de Janeiro, e “desce” para o Sul até Paraibuna para depois “subir” já como Rio Paraíba do Sul.
Fig. 3 / Fig. 4
  • Fato curioso da natureza: A nascente do Rio do Tietê em Salesópolis, SP, está a apenas 62 km da nascente do Rio do Paraíba do Sul, porém seu curso segue em direção ao noroeste, cortando em diagonal (a 90º do curso do Paraíba) e quase 1.500 km sua foz sua foz se dá como afluente do Rio Paraná, logo após a represa que se configura na Hidrovia Tietê-Paraná, próximo à cidade de Três Lagoas, MS (Fig.4).

A HISTÓRIA

  • Ao final do século 19, Taubaté, SP, já era uma cidade importante – inicialmente parada para os Bandeirantes que usavam os índios e mestiços como “escravos” que eram chamados de “tropeiros” – com megafazendeiros de café. E para escoar a produção para exportação, foi feito um projeto com parcial construção de linha ferroviária até Ubatuba;
  • Já no início, imediatamente após o descobrimento do Brasil, dois polos foram criados. Em 1.531 é fundada São Vicente, SP, a cidade mais antiga do Brasil que hoje pertence à Região Metropolitana da Baixada Santista, que tem Santos, SP, como sede, e em 1,535 foi fundada a cidade do Rio de Janeiro, RJ. Entre essas duas datas, foi fundada São Paulo, em 1.554;
  • Claro, sem que se soubesse à época, esse triangulo ficou registrado na história do Brasil, quando em 14/08/1822 D. Pedro I fez o trajeto no qual o Vale do Paraíba teve presença histórica, pois ele visitou e se hospedou nas cidades (hoje formando o Vale Histórico) de: Bananal, São José do Barreiro, Areias, Cachoeira Paulista, Lorena, Guaratinguetá, Aparecida, Pindamonhangaba, Taubaté e Jacareí. Chegou em São Paulo em 25/08/1822. Com comitiva de cerca de 40 pessoas fez a viagem em “lombo de mula”;
  • De São Paulo foi à Santos. Essa viagem tem várias versões, mas lá foi se encontrar com José Bonifácio de Andrada e Silva, o estrategista do Imperador, considerado o “Patrono da Independência”. Dias depois, como todos sabem, no dia 07/09/1822 foi proclamada a Independência do Brasil;
  • O Vale do Paraíba está presente na história por esse histórico fato, mas também por se tornar a ligação entre Rio de Janeiro e São Paulo, ou melhor, a principal ligação entre as duas metrópoles. Hoje, de longe, o principal eixo de Transporte e Logística do Brasil.

A ECONOMIA

O Estado de São Paulo tem uma divisão geopolítica com várias regiões, e no Vale do Paraíba temos a Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (Fig.5).

Fig. 5
  • Na RMVALE/LN existem 5 sub-regiões com características sociais e econômicas distintas. Composta por 39 municípios, é a 12ª região metropolitana do Brasil, com 2,6 milhões de habitantes. Cerca de 98% das atividades econômicas têm origem urbana e só há 2% de ocupação agrícola (diferente de 50 anos atrás, em que o café e leite foram o forte da economia);
  • Sob a ótica da influência econômica, o Vale do Paraíba, que faz divisa com Minas Gerais e Rio de Janeiro, também integra um polígono geográfico com vértices em Resende, RJ, Varginha, MG, Porto Ferreira, SP, Grande São Paulo e São Sebastião, SP, que se conectam em eixos rodoviários e ferroviários, representando 134 municípios com cerca de 36 milhões de habitantes e PIB de R$ 1,85 trilhões (Fonte: AGEMVALE e Prefeitura de São José dos Campos/LOGVALE);
  • Região importante no Comércio Internacional com R$ 45 bilhões em exportação e R$ 62 bilhões em importação (Fonte: MDIC);
  • Na Figura 5, cada sub-região tem uma característica predominante como:
    1. Indústria cervejeira em Jacareí, Indústria Aeronáutica/Tecnologia Espacial/INPE em São José dos Campos. É a mais importante do ponto de vista político e econômico;
    2. Indústria Automobilística em Taubaté e Cultura em Monteiro Lobato e Turismo em Campos do Jordão;
    3. Polo Religioso com Aparecida, Guaratinguetá (Santo Frei Galvão), Cachoeira Paulista (Canção Nova);
    4. Considerado o Vale Histórico, ou Fundo do Vale, trata-se de uma região exuberante entre as suas Serras da Mantiqueira e do Mar, muito importante para a história do Brasil, e atualmente, região de turismo;
    5. Municípios do Litoral Norte conhecidos mundialmente pelas suas belas praias, turismo de alto valor e também como “Capital do Surf”, Ubatuba e São Sebastiao com etapas importantes e 2 campeões mundiais (Gabriel Medina/São Sebastião e Felipe Toledo/Ubatuba).

A LOGÍSTICA

  • Aquele que foi o trajeto de D. Pedro I, hoje é a Rodovia Presidente Dutra, a mais importante do Brasil, com volume de tráfego da ordem de 1 milhão de viagens/dia, segundo informações não oficiais, 60% da economia do país trafega por essa rodovia, ou seja, é a artéria fundamental para as Operações Logísticas;
  • O complexo Rodoviário do Vale do Paraíba, além da Via Dutra, inclui a malha Ayrton Senna/Carvalho Pinto, ligando São Paulo a Taubaté; Via D. Pedro I, ligando Jacareí a Campinas (e daí pela Via Anhanguera todo o interior do Estado de São Paulo; Rodovia dos Tamoios, ligando São José dos Campos ao Litoral Norte e ao Porto de São Sebastião; Rodovia Rodrigues Pinheiro, ligando Taubaté ao Sul de Minas e outras tantas rodovias regionais ao longo do Vale, ligando regiões importantes e funcionando como alimentadoras da Via Dutra.
  • O Vale do Paraíba é cortado pela Ferrovia MRS, operando na ligação dos Estados de MG, RJ e SP, que concentram cerca da metade do PIB brasileiro. Por erro (minha opinião) do Planejamento do Programa de Concessão do Governo Federal, essa ferrovia atende quase integralmente empresas dos acionistas, com destaque para Minério de Ferro e Aço. Com isso, aproveitamento “zero” para atendimento das operações logísticas de carga geral e veículos. Importante registrar que a região concentra fábricas da GM, VW, Peugeot, Citroen e Cherry, mas todo transporte de carros zero quilometro é rodoviário. Essa é uma incongruência entre o discurso do Governo, dos ambientalistas, dos teóricos e as concessionárias;
  • O Porto de São Sebastião é um porto público federal e, através do Convenio de Delegação, é administrado pela Companhia Docas de São Sebastião, empresa pública do Estado de São Paulo. Com apenas um berço de carga, atende navios de porte médio e seu foco de operação é “Granel”. Com capacidade operacional quase no limite de 1 milhão de toneladas/ano, atende de 55 a 60 navios/ano no cais comercial (o Terminal da Petrobrás é privado). Destacam-se para a Exportação, açúcar e gado vivo (já tendo sido importante para automóveis) e para Importação: barrilha, malte, cevada, tubos e chapas de aço. Em termos de acesso, com previsão para o final de 2024, o Contorno Sul, que liga a Rodovia dos Tamoios diretamente ao Porto, será a melhor configuração do Brasil.
    No momento de transição do do Brasil e de São Paulo, o projeto de expansão e a modelagem da administração da Autoridade Portuária estão em compasso de espera. Deverá ter expansão para mais 4 berços de atracação para também contemplar navios portacontêiner, cargas de projeto e produtos manufaturados de maior valor agregado, além dos produtos atuais. Mas não existe conclusão política nem estudos técnicos.
    São Sebastiao deverá ser a solução para o Vale do Paraíba e Estado de São Paulo como se pode ver na ilustração (Fig.6)
Fig. 6

CONCLUSÃO

Com toda a importância econômica e infraestrutura adequada para Operação Logística, o que falta?
Visão de planejamento e investimento em condomínios logísticos, especialmente nos polos de desenvolvimento de São José dos Campos, SP, e de Resende, RJ.

JGVantine – José Geraldo Vantine é fundador e presidente da Vantine Logistics & Supply Chain Consulting. Com um histórico comprovado no setor de logística e cadeia de suprimentos, possui habilidades em negociação, planejamento de negócios, gestão de operações, otimização da cadeia de suprimentos e planejamento de demanda. É considerado um dos pioneiros da logística no Brasil.

Enersys
Savoy
Retrak
postal