Facebook Twitter Linkedin
Conteúdo 20 de julho de 2017

Desembaraço aduaneiro sem crise!

*Por Claudemir Lopes

Seja qual for o ramo de atuação de uma empresa, grande parte das companhias brasileiras fazem algum tipo de movimentação envolvendo comércio exterior. E para que uma mercadoria entre ou saia do país pela alfândega, é necessário que haja o desembaraço aduaneiro. Esta é a última fase do despacho aduaneiro, de acordo com o Regulamento Aduaneiro do Brasil é após o desembaraço que um processo de importação ou exportação é concluído.

O início do desembaraço aduaneiro é a conclusão da conferência, entretanto, o próximo passo só é dado caso nenhuma irregularidade com as mercadorias seja detectada. Então, a autoridade aduaneira fará um registro do desembaraço no SISCOMEX. Por fim, todo o processo será concluído com o importador ou exportador, que deve apresentar a documentação referente ao conhecimento de carga. E só então, a mercadoria pode ser entregue.

O processo é sim demorado e envolve análise de documentação e dados. E por isso, muitas empresas perdem tempo e, consequentemente, produtividade. Para que o desembaraço ocorra sem maiores preocupações, é fundamental que as companhias estejam focadas em cumprir as regras de compliance estabelecidas pela legislação aduaneira. A partir do momento que estejam trabalhando em conformidade com as leis, a entrega de uma boa documentação, que apresente informações claras e precisas, será um cenário natural.

Entretanto, apesar da burocracia ser dificultosa, é evidente que o contexto tecnológico atual é um grande apoio na realização desses processos. O mercado está cada vez mais exigente e a competitividade cresce a cada dia. Em paralelo o gerenciamento eficiente de processos anda em conjunto com prazos curtos. Logo, aplicar tecnologia em procedimentos de compliance, informação e produtividade passa a ser questão de sobrevivência para as empresas prestadoras de serviços de desembaraço aduaneiro.

Como prover a informação ao cliente final? Como gerenciar a sua cadeia de eventos? Como aumentar a produtividade da empresa? Pois é, a tecnologia permite realizar todos estes controles e passos, além de proporcionar uma melhor utilização do recurso humano dentro da empresa, sem aumentar o custo fixo.

A exemplo prático de como a tecnologia agiliza os processos relacionados a comércio exterior, temos o Portal Único, projeto coordenado pela Receita Federal do Brasil em conjunto com a Secretaria de Comércio Exterior. O intuito do programa é reformular processos diretamente ligados a importação, exportação e trânsito aduaneiro, incluindo o desembaraço.

Outro modelo que simplifica os trâmites de exportação é a DU-E, Declaração Única de Exportação. A declaração também faz parte da nova leva de ferramentas tecnológicas disponibilizadas pelo governo do país, uma vez que processos de importação e exportação são fundamentais para o bom andamento da economia local. A DU-E tem como objetivo eliminar uma série de documentos, e como consequência, gerar economia de tempo para as empresas.

Concluo este artigo confirmando que é impossível que dentro de um país não exista mais nenhum processo de comércio exterior. Faz parte da globalização da economia que matérias primas e produtos finalizados entram e saiam do país. Desta forma, os trâmites burocráticos envolvendo despacho e desembaraço aduaneiro devem ser familiares para as companhias. E este cenário está cada dia mais próximo, com o avanço tecnológico e cada vez mais atividades automatizadas.

*Claudemir Lopes é Diretor de Produtos da Bysoft. Formado em Comércio Exterior e Análise de Sistemas, é responsável pela área de suporte, projeto e novos produtos da companhia.

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Maplink Toyota
GLP
Retrak
Paletrans
Alphaquip
Assine a Revista Logweb
Assine a Revista Logweb
Top do Transporte