Facebook Twitter Linkedin Instagram
Conteúdo 3 de novembro de 2008

Passos para o LEAN Supply Chain

O LEAN Supply Chain tem como principal missão a redução e a eliminação de desperdícios e de atividades que não agregam valor. Desperdícios podem ser medidos em tempo, estoques e custos desnecessários. Atividades que agregam valor são aquelas que contribuem eficientemente para a entrega dos produtos finais aos Consumidores na quantidade, custo, qualidade e prazo requeridos.

Para desenvolver uma cadeia de materiais enxuta, a empresa deve:

   1. Entender que o processo LEAN é contínuo, e de longo prazo, comparável a um processo de re-engenharia, cujas mudanças não poderão ser realizadas de uma única vez em um curto espaço de tempo.
   2. Obter o apoio dos níveis hierárquicos mais altos da empresa; melhoria contínua requer o “patrocínio” de executivos dada a necessidade de contemplar interfaces departamentais internas (que envolvem o rompimento de paradigmas e “feudos”) e a relação entre empresas.
   3. Constituir uma equipe multifuncional para o entendimento do amplo escopo que envolve a gestão da cadeia logística e compreender a multiplicidade de Fornecedores, canais de distribuição e Clientes.
   4. Analisar o processo logístico por completo, e não apenas o recebimento, a expedição ou a entrega. Devemos evitar “canibalizar” processos específicos, focando atividades isoladas, como a movimentação e a armazenagem de materiais. 
   5. Mapear o processo, e identificar redundâncias, “lacunas” e atividades não realizadas.
   6. Analisar a relação causa e efeito; aumento de frete, por exemplo, poderá ser um problema ou um sintoma.
   7. Identificar e analisar as causas dos problemas na raiz (root cause analysis).
   8. Verificar junto aos Clientes como eles gostariam que a cadeia logística funcionasse; é uma visão vital, dado que a demanda por produtos e serviços deve ser “puxada” ou orientada ao mercado.
   9. Calcular os riscos (e custos?) de uma cadeia de materiais enxuta.
  10.  Avaliar onde a padronização é viável e onde a customização é necessária.
  11.  Atuar de forma colaborativa com os Fornecedores; é preciso entender que isso não é uma opção, mas um pré-requisito para um ambiente enxuto. A relação deve funcionar de forma equilibrada nos dois sentidos, ou seja, uma relação tipo ganha-ganha.
  12.  Cobrar alto desempenho de seus Fornecedores; isso é vital no LEAN Supply Chain.
  13.  Avaliar o processo atual sob diferentes óticas: tempos de ciclo, custos e estoques.
  14.  Identificar atividades que não agregam valor, seus efeitos e suas causas.
  15.  Racionalizar os processos, envolvendo Fornecedores, colaboradores e até Clientes no processo de melhoria contínua.
  16.  Entender que a tecnologia não pode se sobrepor a falhas em processos. Não automatize o que está errado; muitos armazéns sofrem desse mal, quando se implanta uma ferramenta WMS (Warehouse Management System) em operação com processos deficientes.
  17.  Envolver sua equipe e representantes de seus Fornecedores e de seus prestadores de serviços logísticos na melhoria contínua da cadeia de materiais. Colaboração é fundamental!
  18.  Tornar o supply chain visível, minimizando o efeito dos “pontos cegos”, em geral, os principais focos de desperdício.
  19.  Investigar as razões de os produtos e materiais não fluírem adequadamente ao longo da cadeia logística, de forma previsível e consistente.
  20.  Buscar posicionar os estoques nos adequados canais de distribuição. Estoques ideais em pontos incorretos acarretarão em custos de transferência entre os diferentes pontos de estocagem.
  21.  Estar aberto a mudanças em toda a cadeia logística e incluir o processo de change management (gestão de mudanças) como pré-requisito de seu LEAN Supply Chain.

 
Concluindo, o LEAN Supply Chain não trata apenas de “consertar” coisas erradas. Vai além, e envolve a identificação e eliminação de desperdícios medidos em tempo, custos e estoques ao longo da cadeia de materiais.

Uma cadeia logística enxuta lhe permitirá reduzir tempos em até 40%, estoques em até 30% e custos em até 25%. Portanto, investimentos em melhoria contínua pagam-se tranquilamente.

 

Marco Antonio Oliveira Neves é diretor da Tigerlog Consultoria e Treinamento em Logística

Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Top do Transporte
Brasil Log
Brasil Log
Brasil Log
BYD Business Park Tokio Marine Translifit Retrak w6connect