Facebook Twitter Linkedin Instagram Youtube telegram
Conteúdo 27 de fevereiro de 2024

Por que a Logística 4.0 é importante para o crescimento das empresas?

*Luiz Carlos Poleza Junior, gerente de TI do TECADI

 

Estamos imersos numa era em que a integração da tecnologia está promovendo uma transformação profunda no mercado. E, na logística, esse cenário acontece com ainda mais intensidade. Atualmente, o setor dispõe de uma ampla gama de ferramentas destinadas a aprimorar os procedimentos da cadeia de suprimentos, além de otimizar os processos de transporte, armazenamento e manuseio de mercadorias, oferecendo ao segmento maior inteligência, coesão, eficiência e automação.

 

Tal contexto é hoje reconhecido no mercado como Logística 4.0 e surgiu com a premissa principal de acelerar substancialmente as operações logísticas por meio da redução de custos e erros operacionais. Graças a implementação de recursos como a Internet das Coisas (IoT), big data e inteligência artificial, o conceito se apropria do que há de mais novo para construir um fluxo automatizado e interconectado.

 

Realidade moderna e eficiente
Um exemplo simples de como essas tecnologias já vêm impactando o segmento é a possibilidade real para a adoção da análise preditiva diante de possíveis falhas, além da otimização da dinâmica de rotas e da automação inteligente dos processos por meio da inteligência artificial.

 

Já através da tecnologia big data, outra prática que tem ganhado espaço no mercado, é possível antecipar padrões de consumo e demandas, visando a melhora na tomada de decisões estratégicas das companhias. Outra iniciativa que vem se notabilizando é a implementação de sensores e dispositivos com intuito de monitorar em tempo real ativos e condições de qualidade, fator que proporciona uma visibilidade total ao longo da cadeia de suprimentos.

 

Ao adotar essas e outras práticas, as empresas conseguem construir cadeias de suprimentos mais adaptáveis, transparentes e inteligentes, de maneira alinhada com os desafios dinâmicos que encontram no ambiente de negócios. Fora isso, tais estratégias não apenas ajudam as companhias a elevar a eficiência operacional, como também trazem uma experiência mais positiva para os clientes, o que ajuda a fortalecer a confiança e transparência entre as partes.

 

E quais são os desafios? 

Apesar da clara relevância do conceito, vale destacar que a implementação da Logística 4.0 não está isenta de dificuldades. Aliás, a introdução de uma companhia neste universo está envolta de enormes desafios a serem superados. Um dos grandes obstáculos é o investimento inicial elevado para a aquisição ou atualização dos maquinários necessários.

 

Indo pela mesma linha, a complexidade tecnológica e a segurança cibernética também aparecem como impasses porque a integração das tecnologias com os sistemas já existentes, muitas vezes, exigem uma mudança cultural e organizacional. E isso pode causar uma resistência interna inicial, uma vez que a capacidade da equipe para operar e tirar proveito das novas soluções precisa ser muito bem treinada e comunicada.

 

Até por conta desses possíveis entraves, é aconselhável que as corporações que desejam implementar a Logística 4.0 iniciem o processo de transição com projetos pilotos para avaliar a eficácia antes da real implementação na operação. Com isso, é possível minimizar os riscos financeiros e eventuais objeções dos colaboradores. Outro passo importante é criar parcerias com especialistas para treinar a equipe e estabelecer um clima de cooperação, fator que tende a facilitar o entendimento do time.

 

Apesar dos desafios inerentes, às vantagens proporcionadas pelo conceito, de fato, são incontestáveis. Ao abraçar a transformação digital e adotar práticas inovadoras, as empresas não apenas elevam a eficiência e a agilidade operacional, como também redefinem toda a experiência gerada ao consumidor. Vale ressaltar ainda que se tratando de tecnologia, o tempo de mudança é sempre o agora, até porque, não é difícil de imaginar que uma Logística 5.0 não esteja a caminho num breve futuro. Portanto, a sua implementação não é apenas uma mera opção, mas uma necessidade para as corporações que têm a intenção de continuar prosperando nos próximos anos.

 

*Luiz Carlos Poleza Junior é Gerente de TI do TECADI, um dos principais operadores logísticos da região Sul do país. Formado em Ciências da Computação, possui mais de 15 anos de experiência no mercado de tecnologia e computação.  

Volvo
BR-101
Mundial Express
Savoy
Globalbat
Retrak
postal